sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

FELIZ 2011 PARA TODOS AQUELES QUE ACREDITAM NA VERDADE....

















Flávio

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

CRUZADA DO BLOG CONTRA A TERRÍVEL E IMPERDOÁVEL PRÁTICA DO ASSÉDIO MORAL: PESQUISADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS PSICOSSOCIAIS DE EXCLUSÃO E INCLUSÃO SOCIAL (NEXIN PUC/SÃO PAULO) EXPLICA O QUE REALMENTE É O ASSÉDIO MORAL. CONCLUSÃO, ACONTECE EM TODOS LUGARES E EM TODOS MOMENTOS E NEM PERCEBEMOS.

Direto do portal do Diesat , via Adital

Nesta entrevista a Dra. Margarida Barreto, médica ginecologista e do Trabalho, pesquisadora do Núcleo de Estudos Psicossociais de Exclusão e Inclusão Social (Nexin PUC/São Paulo), explica o que é assédio moral e como o trabalhador deve procurar ajuda e alerta: ” Quem é humilhado sistematicamente, pode sair das ideações suicidas e agir, rumo a morte, tirando a própria vida, por não suportar o sofrimento”.

Diesat: O que é assédio moral?

Dra. Margarida Barreto: Assediar alguém significa estabelecer um cerco e não dá trégua ao outro, humilhando, inferiorizando e desqualificando-o de forma sistemática e repetitiva. São ataques verbais e gestuais, perseguições e ameaças veladas ou explicitas; fofocas e maledicências que ao longo do tempo, vão desestabilizando emocionalmente e devastando a vida do outro.

Para a UNIÃO EUROPEIA o assédio moral é um comportamento negativo entre colegas ou entre superiores e inferiores hierárquicos, em que a vitima é objeto de ataque sistemático por longo tempo, de modo direto ou indireto, contra uma ou mais pessoas.

Já a Organização Internacional do Trabalho considera-o todas as vezes em que uma pessoa se comporta para rebaixar o outro, através de meios vingativos, cruéis, maliciosos ou humilhantes contra uma pessoa ou um grupo de trabalhadores. São críticas repetitivas e desqualificações, isolando-o do contato com o grupo e difundindo falsas informações sobre ele.

Qualquer que seja o conceito usado, no assédio há sempre um núcleo ou matriz que encontramos em todos os países, mostrando que estamos ante uma tortura psicológica nas relações interpessoais no local de trabalho, o que nos leva a considerá-la como um problema de saúde publica. Nesta matriz, encontramos algumas táticas que se repetem: isolar, ignorar, desqualificar, desmoralizar, desestabilizar, degradar as condições de trabalho e forçar a pedir demissão ou desistir do emprego, do projeto, da empresa. Resumiríamos, afirmando que em todos os casos de assédio moral encontramos:
-Repetitividade e persistência da ação
-Intencionalidade
-Temporalidade e direcionalidade
-Degradação das condições de trabalho

Os efeitos são devastadores a vida (físico/psicológico) das pessoas que são humilhadas e sofrem agressões verbais e outros atos de constrangimento, quer no âmbito publico ou privado (a portas fechadas). Aqui, a diferença está na relação de poder estabelecida, que pode ser assimétrica ou simétrica com atos de violência explícitos ou sutis.

Diesat: De que forma o trabalhador é assediado no ambiente de trabalho?

Dra. Margarida Barreto: Leymann, o primeiro estudioso do tema, a pratica do assédio moral envolve mais de 40 atos que fazem parte de um processo que ocorre ao longo do tempo, por um período de seis meses. Para ele, existe o assédio moral quando há uma relação assimétrica de poder e este, pode ser em conseqüência de uma experiência maior ou mesmo, uma maior proximidade com a alta hierarquia. Deste modo, ele catalogou quatro grandes grupos de ações: ações contra a dignidade; ações contra o exercício do trabalho; manipulação da comunicação e ações de iniqüidade.

Como exemplo de ações muito comuns aqui em nosso país, citaria: isolar dos colegas e ignorar sua presença; dar instruções confusas, sobrecarregar trabalho, bloquear o andamento do trabalho, criticar em publico, constrangendo-o ou desqualificando-o; impor horários injustificados; caluniar; disseminar fofocas e maledicências; transferir de setor sem conhecimento prévio; proibir colegas de conversar, almoçar entre tantos outros atos, contanto que reforce o lema. “Não falte para não perceberem que você não faz falta”, passando a idéia que o trabalhador é um inútil, ou que faz é tão pouco que não tem valor para a Empresa.

Diesat: Quando começaram as discussões sobre o problema?

Dra. Margarida Barreto: Na Europa, o tema foi bastante discutido por Leymann e posteriormente, Marie France Hirigoyen. Aqui no Brasil, começamos a ouvir atentamente os trabalhadores que eram humilhados em seu local de trabalho desde o inicio a partir de 1993. Sabíamos que humilhar o outro não era novo. Mas, os relatos que nos chegavam, eram freqüentes. O fato é que a intensificação das humilhações no trabalho coincide com as mudanças que ocorreram na forma de organizar o trabalho e nas políticas de gestão, nestes últimos 30 anos. Mudou o discurso e novos rótulos surgiram para velhas questões. Por exemplo, ser flexível passou a apontar um novo horizonte de expectativas no qual o trabalhador agora denominado de “colaborador”, deverá estar sempre motivado, ser dinâmico e comunicativo, aberto para os novos desafios, ter capacidade para trabalhar em grupo, ser criativo e competitivo como forma de ascender no mundo do trabalho e em especial ser dedicado a empresa e seu trabalho. O discurso é sedutor, pois a flexibilidade deve ser aceita e internalizada por todos; é uma forma de compensar a insegurança que passo aparecer a partir das demissões massivas e reestruturações constantes. Cada um deve suportar o novo desafio, a nova sobrecarga e mostrar que é capaz de se ajustar aos novos tempos. Com poucas pessoas executando mais tarefas, sob intensa pressão para produzir, não precisamos refletir muito para constatar as consequencias que isso traria no tempo: novas doenças e mais demissões. Fomos percebendo que as humilhações neste contexto, era algo que fazia parte da micropolitica de controle empresarial e que se manifestava na corrente dos gestos cotidianos. Estávamos diante de uma ferramenta de controle dos gestos, da voz, dos pensamentos e emoções. Assim, devemos avaliar as novas doenças, os novos riscos emergentes em associação as mudanças no mundo do trabalho e que foram profundas. Ressalto também que a reestruturação produtiva veio acompanhada de desregulamentações das relações de trabalho, de flexibilização dos direitos, da adoção de novas políticas de gestão quer por injuria ou pelo medo, de controle rígido e disciplinar dos trabalhadores, da colonização do imaginário, quer por política de punição aos que não alcançaram as metas ou por premiação dos “bons” na capacidade de ultrapassá-las e dá produção. É um ambiente propicio para instaurar o conflito entre colegas e a competitividade, passa a ser a regra.

Sabemos que as empresas estão mais preocupadas em aumentar seus lucros com poucos gastos que com a saúde dos seus trabalhadores. O que importa é faturar cada vez mais e o trabalhador que adoece vira peça descartável e que deve ser trocada. Então ser flexível para o capital, é ser capaz de se adaptar, em reagir ao invés de agir; em aceitar ao invés de resistir e lutar.

Porque afirmo isso? Quando o trabalhador adoece, envelhece ou questiona praticas ilícitas ou não se submete as normas que lhes são impostas, perde o valor e torna-se uma “persona non grata”, o que o obriga, freqüentemente, a deixar a empresa. O valor do trabalhador está em ser guerreiro 24 horas, não adoecer, não ter família, não ter preocupações e preferencialmente, que todo o seu pensamento e emoções, estejam direcionados ao bem estar da empresa. Logo, todo assédio tem como intencionalidade forçar o outro a desistir do emprego, pedindo a demissão ou mesmo desistindo de um projeto ou mudando de setor, de Estado.

Diesat: Existe uma categoria que apresente mais denúncias relacionadas a assédio moral?

Dra. Margarida Barreto: Hoje, é difícil você dizer qual a categoria que não tem assédio moral nas relações de trabalho. Isso porque o assedio tem como causalidade a organização do trabalho e uma cultura organizacional que mantém e reproduz a “voz” da organização, como verdade absoluta e inquestionável. Mas, poderíamos apontar as categorias em que é muito comum: saúde, educação, comunicação em especial com os jornalistas e o setor de serviços, como por exemplo, os bancários.

Diesat: Como o movimento sindical pode auxiliar trabalhadores que sofrem assédio?

Dra. Margarida Barreto: Em primeiro lugar, o dirigente deve ouvir seu companheiro. É necessário que os dirigentes compreendam e conheçam esse novo mundo do trabalho nesta nova configuração, em que os trabalhadores foram transformados em nômades do trabalho e das relações, vivendo uma sociedade sem emprego, com uma vida limítrofe e caótica, tendo que se submeter a exploração. É necessário que os dirigentes conheçam os novos riscos emergentes, reflitam a cultura empresarial, que escutem e compreendam a voz daqueles que sofrem, adoecem e morrem do/no trabalho. Se não conhecem o que acontece de fato no intra-muros, a ação se restringe a julgar ou encaminhar o trabalhador assediado para o medico ou o departamento jurídico, em atos e ações individualizadas. E as ações coletivas, ficam esquecidas.

Se não tivermos uma práxis compromissada com classe trabalhadora, poucas vitórias alcançaremos. Digo isto, pois vejo por esse Brasil, muitos “dirigentes” que sequer sabem o que ocorre dentro daquela empresa em que ele um dia, trabalhou e isso leva a atitudes de indiferença em relação a dor do outro. Falta reflexão-ação, sonhos pessoais que se mesclem com os sonhos coletivos, falta luta ativa, organização por local de trabalho, mobilização e compromisso de classe! Pensar em eliminar o assédio moral das relações laborais passa pela luta por justiça, por dignidade, por generosidade, por respeito nas relações de trabalho, por uma nova forma de organizar o trabalho em que a cultura reforce a autonomia e criatividade para pensar e fazer; que a vida daqueles que produzem riquezas, seja privilegiada em sua plenitude. Um sindicalismo “combativo” não pode defender os interesses do capital, viabilizando a existência de empresas que matam e adoecem centenas de trabalhadores anualmente, com a desculpa que está preservando o emprego. Aqui, é uma questão de defesa da vida. Não podemos sair de um sindicalismo de contestação e caminhar para um sindicalismo de “viabilização das empresas. Enquanto esse cenário persistir, assistiremos o aumento da exploração no trabalho – que é uma face da violência – a intensificação da flexibilidade, mobilidade e humilhações para produzir, sob o olhar passivo do movimento sindical

Diesat: Quais são as conseqüências na saúde destes trabalhadores?

Dra. Margarida Barreto: Quem sofre o assédio moral no trabalho, manifestará algumas reações. A primeira seria uma reação social cuja resposta corporal a ação nociva, se manifesta como isolamento social, ressentimentos, tristeza, reprodução da violência em outros espaços e até mesmo com filhos. Há aumento do uso de drogas, quebra dos laços afetivos e muitas crianças de país que sofreram violência no trabalho, tem menor desempenho na escola. Em segundo lugar, a pessoa assediada sente um mal estar que se manifesta no julgamento negativo de si, como se fosse sem valor ou mesmo um lixo.

Além das varias alterações cotidianas, devido aos pensamentos repetitivos e recorrentes, com o tempo, começam a apresentar doenças e danos psíquicos com idéias de indignidade, esquecimentos, choro freqüente e que podem caminhar para a depressão, o burn-out, a síndrome do pânico e outros transtornos da esfera mental E por ultimo, quem é humilhado sistematicamente, pode sair das ideações suicidas e agir, rumo a morte, tirando a própria vida, por não suportar o sofrimento.

Assim o assédio moral gera morte. A Marie France lembra que “Não se morre diariamente de todas as agressões, mas perde-se uma parte de si a cada noite, volta-se para casa exausto, humilhado, deprimido. É a repetição do ato que é destruidor”. Estamos diante de um risco que tem repercussões na família, desestruturando-a freqüentemente e devastando a vida daquele que sofre a violência moral ou psicológica no local de trabalho. Estamos falando de mais um risco no ambiente de trabalho, que causa danos a dimensão física, psíquica, moral, intelectual, social, cultural ou espiritual do ser humano.

Daí a necessidade de compreender essa relação capital x trabalho para atuar com compromisso de classe, pois ter saúde, ser livre e feliz, envolve a ordem do conhecimento, da razão livre, dos bons encontros, da compreensão não somente de si mesmo, mas dos outros e somente com os outros podemos transformar o mundo do trabalho e a sociedade em que vivemos.

Diesat: O que levou a doutora a pesquisar sobre o tema?

Dra. Margarida Barreto: Comecei a trabalhar no Sindicato dos Químicos ao final de 1992, logo após o término do curso de especialização em medicina do trabalho. E neste espaço passei a ouvir historias de sofrimento e compreendi desde o inicio que a dor colocada não era resultante de fraquezas individuais. Ao contrário: estava diante de guerreiros e guerreiras da produção e que após dá a vida em uma determinada empresa, sentiam-se traídos porque adoeceram ou porque questionaram a empresa e como resultado, mudava a forma da empresa de lidar com eles.

As histórias de sofrimento me atravessavam e na tentativa de ajudá-los ativamente, procurei a Psicologia Social da PUC/SP para fazer o mestrado. Lá, sistematizei uma pesquisa que resultou na escuta atenta de 2072 trabalhadores de 97 empresas do ramo químico, plástico, cosmético e farmacêutico e cujo nome da dissertação foi dado por um trabalhador que após contar sua historia, me disse: “eu vivo dentro da empresa uma jornada de humilhações”. Ele me deu o nome e a chave da compreensão dos gritos de sofrimento que escutava.

* Diesat é o Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho

DENUNCIE O ASSÉDIO MORAL, NÃO ACEITE DE MANEIRA NENHUMA, É CRIME


Flávio Luiz Sartori

domingo, 12 de dezembro de 2010

REPORTAGEM DO “ZERO HORA” SOBRE PROFESSORES QUE COBRAM PARA FAZER TRABALHOS ESCOLARES DE ALUNOS: A MAIOR CULPA É DOS PAIS DESSES ALUNOS.

Depois de um tempo para descansar a cabeça e repensar o futuro do blog, que repito veio para ficar de uma vez, pelo menos enquanto eu existir e puder postar textos, fotos e vídeos, estou de volta. Neste tempo em que estive praticamente sem postar textos refleti sobre os rumos do blog no pós-eleição da Presidenta Dilma.


Diariamente existem milhares de assuntos pelo mundo afora, que precisam ser debatidos o tempo todo e a Internet permitiu a nós cidadãos comuns a possibilidade de interagirmos entre nós e também com a mídia institucional e isso para mim é demais é fantástico.

Voltando a participar do debate diário do dia a dia, está manhã eu estava pensando no que escrever quando deparei na web com um assunto que pode parecer não importante, mas que se pararmos para pensar com calma e analisarmos com olhar crítico do que ele representa para o futuro da educação e do conceito de ética que planejamos para nossos filhos será impossível aceitar passivamente, pelo menos partindo do principio de que nossa obrigação como pais é a de educar nossos filhos com o objetivo de que eles se tornem cidadãos honestos e éticos, no caso o assunto foi uma reportagem do jornal gaúcho “Zero Hora” sobre pais que pagam professores para fazerem o trabalho escolar de seus filhos para que eles não percam o ano letivo com notas baixas.

A reportagem:

Reportagem encomendou e comprou de dois professores da Capital (Porto Alegre) trabalhos de matemática



Gustavo Azevedo
gustavo.azevedo@zerohora.com.br


Por R$ 40, R$ 60, o ano letivo de um aluno dos ensinos Fundamental ou Médio pode estar garantido. Esses são alguns dos preços que pais estão pagando a professores de aulas particulares para executarem os trabalhos escolares dos filhos e, assim, engordar a nota final dos filhos, obtendo aprovação.

Zero Hora comprovou essa realidade que ajuda a desfigurar ainda mais a já precária educação brasileira.


A reportagem encomendou e comprou de dois professores da Capital trabalhos de matemática que, hipoteticamente, ajudariam a passar de ano um adolescente de 15 anos. Acompanhou também a tentativa de uma mãe para resolver o problema do filho, que arrisca rodar de ano, novamente, numa escola de Porto Alegre.

A reportagem do Jornal Zero Hora tem inclusive um vídeo que pode ser acessado no link abaixo:

http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1§ion=Geral&newsID=a3139404.xml

Longe de querer julgar os professores que fazem isto, digo que os principais e primeiros culpados dessa situação são, na realidade os pais dos alunos, que por incontáveis motivos devem ter falhado no acompanhamento de seus filhos durante o ano letivo e depois, quando no final do ano se deparam com o problema simplesmente correm atrás do prejuízo “contratando um professor” para escrever um trabalho com o intuito de “salvar a pele do filho” e no final das contas tudo continua como antes sem maiores problemas a espera do próximo ano onde tudo tende a se repetir sem maiores problemas.

Quando escrevi que não pretendo julgar meus colegas professores é por que sei como é injusta situação salarial da maioria dos professores brasileiros e o quanto é difícil, na maioria das vezes, para eles cumprirem com seus compromissos, ainda mais levando em consideração que temos nossas famílias, com esposas e filhos dentre outros e que no final do ano nossos gastos crescem e não temos saída, um ganho extra sempre ajuda.

No entanto, como pai, digo que não faria um trabalho escolar para ganhar uma grana extra e também não contrataria um professor para escrever um trabalho escolar para minha filha se ela estivesse para perder ano por falta de nota. Na condição de quem já deu aulas para ganhar a vida, me recuso terminantemente crucificar os professores da reportagem do “Zero Hora”, colocar eles como vilões seria pura demagogia.

Nesta mesma manhã fui cobrado por minha esposa pelo fato de não dar a devida atenção para minha filha de cinco anos, obviamente que ela tem razão, porque no nosso dia a dia na medida em que nossos filhos vão crescendo a tendência é que nos afastemos deles absorvidos pelo trabalho e outras atividades, isso é um erro terrível, temos que estar presentes com nossos filhos o máximo que pudermos, acompanhar o dia a dia deles conversando sobre o que acontece na escola e interagir com eles sobre o que eles aprendem, procurar ajudar eles e se for necessário contratar um professor, que seja para aulas de reforço para nossos filhos.


Flávio Luiz Sartori – flavioluiz.sartori@gmail.com

domingo, 5 de dezembro de 2010

PENSARAM QUE EU DESISTI, NÃO, ESTOU AQUI FIRME E FORTE E VAMOS "PRO PAU" PRA VALER COM LOBÃO E A "VIDA BANDIDA"..........

Pra vocês curtirem e refletirem:

Bobão: Vida Bandida



Viva Lobão.......

Bom início de semana...

Flávio

sábado, 27 de novembro de 2010

CROWDED HAUSE E SEU MAIOR SUCESSO DON`T DREAM IT´S OVER, PARA REFLETIR E CURTIR.

Quando as Coreias insistem em querer ressuscitar o fantasma da Guerra Fria, que insiste em pairar sobre nossas cabeças, uma reflexão sobre a aprensão que que dominava nossas cabeças nos anos oitenta pouco antes da queda do muro de Berlin na musica dos autralianos do Crowded House: Don't Dream It's Over.




Não Sonhe Que Terminou (Don't Dream It's Over)


Há liberdade interior, Há liberdade exterior
Tentando conter o dilúvio dentro de uma taça de papel
Há uma batalha pela frente, Muitas batalhas são perdidas
Mas você nunca verá o fim da estrada
Enquanto estiver viajando comigo

Hey agora, hey agora
Não sonhe que terminou
Hey agora, hey agora
Quando o mundo vem

Eles vem, eles vem
Para entre nós construir uma muralha
Nós sabemos que eles não ganharão

Agora tou guinchando meu carro, há um buraco no teto
Minhas posses me causam suspeitas mas não háProvasNo jornal de hoje, os contos da guerra e desperdicio
Mas você vai direto para a página da tv

Hey agora, hey agora
Não sonhe que terminou
Hey agora, hey agora
Quando o mundo vem
Eles vem, eles vem
Para entre nós construir uma muralha
Nós sabemos que eles não ganharão

Agora ando mais uma vez ao ritmo de um tambor
E estou contando os passos até a porta do teu coracão
Apenas as sombra a frente mal mostrando o teto
Descobrindo a sensacão de liberacão e alívio

Hey agora, hey agora
Não sonhe que terminou
Hey agora, hey agora
Quando o mundo vem
Eles vem, eles vem
Para entre nós construir uma muralha
Jamais permita que eles vençam

sábado, 20 de novembro de 2010

HOMENAGEM AO "DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA": EXPOSIÇÃO MOSTRA A INFLUÊNCIA DE ZUMBI NA CONSCIENTIZAÇÃO CONTRA O PRECONCEITO RACIAL EM CAMPINAS E NO BRASIL E NA CRÔNICA DE GERALDO SESSO JR A SAGA DE "ZÉ MUNDÃO" HERÓI BANDIDO DO INÍCIO DO SÉCULO XX.



GERALDO SESSO JUNIOR CONTA A SAGA DE "ZÉ MUNDÃO", HERÓI BANDIDO ESQUECIDO.

Geraldo Sesso Jr. nasceu em 1910 na cidade de Campinas, mas passou a maior parte de sua vida em São Paulo.

Aos 19 anos iniciou sua carreira de jornalista no antigo "Correio Paulistano", tendo também trabalhado nos jornais "A Gazeta", "O Dia", "Correio de São Paulo" e "Gazeta de Tatuapé".
Em Campinas, colaborou no "Correio Popular" e " Diário do Povo".
Além do jornalismo, dedicou-se à pesquisa histórica.
Publicou os livros "Retalhos da Velha Campinas", em 1970 e "Retalhos da Velha São Paulo", em 1983, tendo deixado no prelo o livro "Astros de Outrora", sobre os artistas do cinema mudo.
Em sua obra "Retalhos da Velha Campinas", Geraldo Sesso Jr relatou a saga de Zé Mundão, acessem ao texto em PDF no
http://www.4shared.com/document/mZn6c9sk/ZeMundao.html  e conheçam uma das figuras mais populares que viveram em Campinas no início do final do século XIX para o início do século XX, vale a pena, a vida de Zé Mundão valeria um filme, confiram.

Bom fim de semana.

Flávio




sábado, 13 de novembro de 2010

MOMENTO DE REFLEXÃO NO FERIADO PROLONGADO: A GENIAL MÚSICA DE RAUL SEIXAS E PAULO COELHO, NA MINHA OPINIÃO MAIS ATUAL DO QUE NUNCA...

Considero esta música, nos tempos atuais, uma metáfora que completa o texto anterior sobre o "Assédio Moral 2".
A maioria das pessoas teimosamente continuam pensando que sabem tudo, que podem tudo e que seus movimentos não serão percebidos, ledo engano, ledo engano, estamos aqui a mais de "10 mil anos" e sabemos muito bem e sempre de onde vem os movimentos contrários...



Geniais Raul Seixas e Paulo Coelho, eis a verdade para quem não quer aceitar: Todos nós nascemos a dez mil anos atrás e a possibilidade de sermos enganados é cada vez mais remota...


Bom Feriado...


Flávio

domingo, 7 de novembro de 2010

ASSÉDIO MORAL INCONSCIENTE (OU CONSCIENTE) 2: QUANDO AS VÍTIMAS DO ASSÉDIO MORAL SÃO PESSOAS COMPETENTES QUE PASSAM A SER ESTIGMATIZADAS PARA QUE SUAS AÇÕES POSITIVAS SEJAM ANULADAS.

  "Camarilhas" fazem parte da história da humanidade.

Considero o assédio moral um dos principais e piores problemas da sociedade moderna, antes não tinha me preocupado tanto com o assunto, mas recentemente tenho tido a oportunidade de analisar com maior detalhe o comportamento das pessoas no dia a dia e tenho constatado que esta prática é comum nas relações entre as pessoas em praticamente em todos os ambientes, principalmente nos locais de trabalho onde a competição se torna cada vez menos ética.

Segundo Stanley Milgram em sua obra “A Obediência e a Autoridade”, de um modo geral, as vítimas de assédio moral são pessoas extremamente competentes que passam a ser estigmatizadas por parte de seus companheiros de trabalho, que passam a utilizar a prática cotidiana do assédio moral com o intuito de anular suas idéias inovadoras.

Estigmatizar, neste contesto, significa passar a associar o assediado a ações negativas, nesse contesto ele passa a ser “observado” o todo momento, seu comportamento e suas ações são sempre comparados a atitudes não produtivas, qualquer falha por menor que seja é supervalorizada e tudo o que o assediado produz de positivo no contesto de seu trabalho passa a não ter nenhum valor. Os “assediadores”, que também são seus colegas de trabalho se aproveitam de qualquer falha, como por exemplo, um atraso de alguns minutos no horário de chagar para trabalhar, para disseminar entre todos colegas de trabalho boatos de que o “assediado” não é cumpridor de horário, supervalorizando este fato em decorrência das ações positivas do “assediado”.
Aliás, como muito bem definiu Maquiavel a mais de 500 anos, o que passa a valer de fato nesse contesto é a máxima de que mais vale a versão que o próprio fato em si.

Instrumentos que a princípio foram criados para defender os direitos dos trabalhadores, como por exemplo, a estabilidade no emprego, hoje um direito basicamente de funcionários públicos e trabalhadores de empresas estatais aqui no Brasil, hoje, também se transformaram em verdadeiros refúgios para uma minoria de oportunistas, que passam a se valer da estabilidade para praticar o assédio moral contra colegas de trabalho que não tem o mesmo benefício sempre com o objetivo oportunista de se prevalecer de suas próprias situações e assim obter vantagens.
Dessa forma, o que observamos é a formação de verdadeiras camarilhas, mais conhecidas como “panelinhas” aqui no Brasil, que são grupos de pessoas unidas em torno de algum projeto secreto, geralmente para promover através de intriga seus pontos de vista e interesses.

Sei que este é um assunto tabu, que todos fogem de discutir o tempo todo porque cada um de nós tem e sempre terá alguma coisa em comum com a situação colocada, no entanto, como cidadãos temos que literalmente “colocar o dedo na ferida”, custe o que custar, aliás, se não fosse atitudes como estas, tabus como o machismo e o preconceito racial e contra as minorias jamais teriam vindo a tona em nossa sociedade.

Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com

terça-feira, 2 de novembro de 2010

A VITÓRIA DE DILMA ROUSSEF FOI IMPORTANTE, MAS O RESULTADO DA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL PROVOU QUE EXISTE UM SECTARISMO DENTRO DE NÓS QUE PRECISA DE AUTO-CRÍTICA CONSTANTE.

Ola internaltas seguidores assíduos e eventuais do “Essência Além da Aparência”, esperei umas 48 horas para externar minha alegria pela vitória de Dilma Roussef porque nesse período fiquei meditando sobre o fato em si, principalmente depois da campanha eleitoral mais sórdida já feita no Brasil por parte da candidatura Serra. Nem na eleição presidencial de 1989 a baixaria chegou a um clímax como o que observamos nesta campanha de 2010.


Porém, como tudo tem um lado bom sempre, o importante é que esta campanha serviu para revelar que sentimentos que pareciam estar superados em oito anos de Governo Lula, na realidade estavam adormecidos bem lá no fundo do inconsciente coletivo de parte da nossa população (eleitorado) e bastou uma campanha eleitoral baseada em boatos e mentiras por parte da candidatura Serra contra Dilma Roussef para aflorar ódios que de uma hora para outra dominaram a campanha eleitoral se sobrepondo ao debate político que deveria ter sido feito baseado nas discussões programáticas dos candidatos.


Digo que isso foi bom porque vivíamos em uma espécie de conto de fadas exatamente porque acreditávamos que nossa sociedade tinha superado estas contradições durante o mandato do Presidente Lula e a realidade da campanha eleitoral provou que isso não era verdade. Ou seja, os históricos sentimentos baseados na prática do preconceito, que sempre existiram, principalmente na nossa classe média tradicional e que sempre serviram de base para formação de opinião pública com ajuda do PIG (Partido da Imprensa Golpista) continuam vivos e fortes na nossa sociedade e, o que é pior, se reproduzindo de forma constante em todo momento.


Antes de apontar o dedo contra esta parcela da população que se recusou a votar em Dilma Roussef, que é significativa, temos que olhar no nosso próprio nariz e responder a nós mesmo sobre o que fizemos até agora para superar esta corrente de pensamento contrária a ideologia política dominante no Governo do Presidente Lula e também majoritariamente até mesmo no próprio PT até o presente momento. Nesse sentido, fica claro que estamos falando, logicamente, do nosso sectarismo, da nossa idéia fixa de que a solução dos problemas do Brasil passam sempre e principalmente somente pelas nossas iniciativas.


Durante o Governo Lula, principalmente no segundo mandato, quando ficou claro que era fundamental para o PT, que a melhor solução para o Governo Lula exercer a governabilidade seria a aliança com o histórico centro ideológico, cujo principal expoente hoje é o PMDB, se estabeleceu a base que deu origem a chapa Dilma Roussef e Michel Temer. Foi um passo importante e fundamental para superar uma distância histórica entre importantes forças políticas aqui no Brasil.


Agora é preciso superar outra importante distancia que ainda persiste nesta relação, tratasse de passar por cima do sectarismo que ainda persiste em muitos segmentos da nossa política, principalmente no PT. Dessa superação depende a forma como o Governo Dilma Roussef deverá agir para conquistar a parcela da população brasileira que, apesar de aprovar o Governo do Presidente Lula com mais de 80% de ótimo ou bom, teve uma significativa parcela que votou em Marina Silva no primeiro turno e em Serra no segundo turno.


A lição que fica é que mesmo tendo claro que a campanha do Serra utilizou métodos baseados na mentira sórdida, o que precisa ser levado em conta é que significativa parte do eleitorado brasileiro acreditou e muito no discurso serrista e, obviamente, não cabe a nós apenas culpar estes segmentos da sociedade que não acreditaram no discurso de Dilma Rouseef por achar que ganhamos e tudo estará resolvido. Na realidade temos o imenso trabalho de unir a sociedade brasileira em busca de um futuro melhor porque o resultado da eleição presidencial provou que não somos os donos da verdade.

Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

FALA DE BENTO XVI HOJE EM ROMA DEIXA CLARO QUE, TIRAR LULA, O PT E ALIADOS DO PODER NO BRASIL, ERA E CONTINUA SENDO UMA PRIORIDADE PARA OS CONSERVADORES

Ratzinger e João Paulo II, todo poder à Opus Dei
na cúpula da Igreja Católica.

Para que serve uma religião? Confesso que estou em dúvidas, principalmente depois que Bento Joseph Alois Ratzinger XVI, oriundo da Opus Dei (http://pt.wikipedia.org/wiki/Opus_Dei), assim como parte da cúpula atual da Igreja Católica no Brasil, resolveu deixar bem claro o porque de bispos como o Guarulhos terem entrado para valer na campanha eleitoral para tentar impedir que Dilma Roussef fosse eleita presidente.
Minha família é de origem católica, um tio avô meu foi cônego, padre em uma importante paróquia de Campinas. No início dos anos sessenta meus pais migraram do catolicismo para uma igreja evangélica ficaram até o final dos anos setenta, depois disso nunca mais se fixamos em uma religião.
Nunca consegui ser ateu, mesmo quando militei na esquerda nos anos oitenta do século passado, daquela época me lembro muito bem que o pessoal da ala progressista católica da teologia da libertação da Igreja Católica com os quais eu convivia bastante tinham verdadeiro pavor do tal de Ratzinger, para eles ele era o perseguidor do Frei Leonardo Boff, do Frei Beto e outros herois da ala prograssista da igreja que conquistavam nossos corações porque sempre estiveram na luta contra o regime militar e a histórica desigualdade social brasileira.

Joseph Ratzinger e Karol Wojtyła (João Paulo II) fizeram parte de uma articulação com origem na direita norte americana, que foi decisiva para derrubar o comunismo na antiga União Soviética e no Leste Europeu, a mesma em que Serra se espelhou para criar um sentimento de ódio através de boatos a calúnias contra Dilma Roussef para levar a eleição presidencial brasileira para o segundo turno.

O fim da polarização entre os blocos comandados pelos EUA e a antiga União Soviética criou uma falsa imagem de triunfo do capitalismo na sua pior versão, o neoliberalismo. A ascensão de presidentes, como o de FHC no Brasil representou governos que aprofundaram a desigualdade social. A resposta do povo foi a eleição de governos comprometidos em diminuir a desigualdade social em praticamente toda a América Latina.

O Governo Lula é considerado Ótimo ou Bom hoje por mais de 80% da população brasileira, por isso mesmo, ao que tudo índica, a candidata Dilma Roussef, apoiada por Lula, deverá ser eleita presidente do Brasil no próximo domingo.

Na reta final do primeiro turno ficou evidente que a ala conservadora da Igreja Católica no Brasil tinha escolhido seu lado, estava com Serra, fazia e continua fazendo parte de uma campanha sórdida de ataques a candidatura de Dilma Roussef.

Hoje tudo ficou bem claro e explicito, a atual cúpula da Igreja Católica, o papado, continua aliada à direita norte americana inspiradora de Serra.
Bento Joseph Alois Ratzinger XVI sonhava com uma vitória de Serra, sua fala em Roma a bispos brasileiros foi um apelo derradeiro para criar um fato tentar salvar Serra da derrota.

O Brasil é realmente a bola da vez, tirar Lula, o PT e aliados do poder, ao que parece era e é uma prioridade da direita a nível mundial, temos que ter consciência disto independente de nossas crensas, ou vcs acham que Torquemada (http://pt.wikipedia.org/wiki/Tom%C3%A1s_de_Torquemada) deveria ser considerado um bom homem, apesar de seus crimes, só porque era católico?

Flávio Luiz Sartori – flavioluiz.sartori@gmail.com

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

VERGONHA, VERGONHA, A GLOBO ESTÁ DESMORALIZADA, NOVO VÍDEO MOSTRA COMO FOI FEITA A MANTAGEM DO JN ONTEM PARA SALVAR SERRA. APRENDAM A DIVULGAR ESTE VÍDEO.

Não se trata de ser contra a Globo sem justificativa, apenas por um embalo, não, o fato concreto é que a reportagem de ontem mostrou atá que ponto pode ir uma emissora de TV como a Globo para fazer valer seus compromissos políticos. Foi descarado, sem o mínimo respeito por anunciantes e espectadores. Não é uma questão de radicalismo, é uma questão de democracia, democracia apenas a boa velha democracia.

Abaixo dois vídeos que mostram como a reportagem do JN de ontem se baseou em uma montagem para salvar Serra, um arrogante que não consegue ter a grandeza de aceitar a vontade da maioria, junto com ele estão seus parceiros do PIG, principalmente os filhos do Roberto Marinho que não tem o mínimo de respeito pela imensa maioria do povo brasileiro que ajudou a Globo a liderar a audiência no Brasil nos últimos 40 anos e também a construir o patrimonio que eles tem hoje com as altas audiências e o consequente lucro das publicidades.

Primeiro Video:




Segundo vídeo:




Como se incorpora um video para quem não sabe?

Vá ao endereço http://www.youtube.com/watch?v=VSQD2sRNBUc&feature=player_embedded abaixo do vídeo procure a ferramente <Incorporar>, tecle nela e abaixo aparececerá  em um quadro uma caixa de palavras é o código de incorporação, selecione ele e copie para o local onde vc deseja que o vídeo apareça mas o local deve estar na forma de edição em HTML.

Faça e boa sorte, espalhe a verdade para o Brasil, chega de mentiras.

Bom fim de semana.     Flávio

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

VIDEO APRESENTADO PELO JORNAL NACIONAL HOJE A NOITE TENTANDO MOSTRAR QUE UM SEGUNDO OBJETO TERIA ATINGIDO JOSÉ SERRA É MONTAGEM E É FÁCIL DE DESCOBRIR.

Tentei colocar o video aqui mas o Google não aceitou, então para vocês assistirem cliquem no endereço do IG.

http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/nao+foi+so+uma+bolinha+de+papel/n1237809618468.html

ASSISTAM E OBSERVEM BEM COMO ANTES DA MANCHINHA BRANCA APARECER SOBREPOSTA SOBRE A CARECA DO SERRA O VIDEO DÁ UMA PARADA.

Flávio

terça-feira, 19 de outubro de 2010

ATAQUES SERRISTAS E DO PIG AO VOXPOPULI: EM DEFESA DE MARCOS COIMBRA E SUA EQUIPE.

O Senador Sérgio Guerra, Presidente Nacional do PSDB, lançou palavras de dúvidas em relação ao resultado da pesquisa sobre a intenção de votos para Presidente da Republica divulgada pelo Instituto Voxpopuli está manhã onde a candidata do PT Dilma Roussef apareceu com 51% das intenções de votos estimulados, Serra apareceu com 39%, Indecisos 4% e Brancos e Nulos 6%.


Logo depois do resultado final da eleição no Primeiro Turno li outros questionamentos em relação ao resultado da Pesquisa do Voxpopuli em comparação com o resultado final da eleição presidencial do último dia 03 de Outubro, um desses questionamentos foi feito por Merval Pererira do Globo.

É bom lembrar que o resultado o último resultado de uma pesquisa do Voxpopuli sobre a corrida presidencial no Primeiro Turno foi divulgado no dia 02 de Outubro, portanto um dia antes da eleição e ele refletia o fechamento da amostragem de uma pesquisa tracking com total de 2000 entrevistas, sendo que era feita a renovação de 500 entrevistas por dia. Para bom entendedor isso significa que o resultado final divulgado no dia 02 de Outubro correspondia a amostragem de entrevistas feitas no dia 01 de Outubro e nos dias 30, 29 e 28 de Setembro. Sem querer entrar no detalhe de se o método do traking é correto ou não ou se a amostram total era suficiente ou não, o que deve ser levado em conta no resultado final divulgado no dia 02 de Outubro último é que ele representou uma amostragem referente a uma pesquisa feita com entrevistas realizadas em quatro dias e com 2 mil pessoas. É isso que vale.

O resultado final da votação para presidente no Primeiro Turno mostrou os seguintes quadros:

1 - Incluindo a abstenção

2 – Sem a abstenção

Em uma comparação a pesquisa tracking do Voxpopuli mostrou Dilma com 47% de intenções de votos estimulados e ela teve 42,9% do total de votos, Serra tinha 26% de intenções de votos estimulados e teve 29,8% de votos, Marina tinha 14% de intenções de votos estimulados e teve 17,7 do total de votos, Outros Candidatos tinham 1% de intenções e tiveram 1,2% de votos, Branco e Nulos 4% nas intenções de votos e foram 8,6% nos votos computados e Indecisos que ainda eram 8%, isso, repetindo em relação a pesquisa Voxpopuli, em uma amostragem de 2000 entrevistas feitas do dia 28 de setembro ao dia 01 de Outubro.


Observando com atenção constataremos que Dilma perdeu 4 pontos, Serra cresceu 3,8 pontos e Marina cresceu 3,7 pontos, isso levando em consideração a amostragem da pesquisa que foi sendo defasada sempre em 500 entrevistas por dia do dia 28 de setembro ao dia 01 de Outubro e que nos dias 02 e 03 de outubro não aconteceram entrevistas desta pesquisa.

As mudanças de números para menos, no caso de Dilma e para mais no caso de Marina e Serra sempre estiveram na casa dos 3,7 a 4 pontos, elas refletem o resultado de um momento em que o eleitor foi cristalizando sua decisão até a hora de seu voto no dia 03 de Outubro em meio a mais estarrecedora campanha de boatos já feita na história das eleições no Brasil contra a candidata Dilma Roussef e seu vice Michel Temer, isso deixou uma parcela dos eleitores confusos e portanto sujeita a mudanças repentinas que jamais poderiam ser detectadas nos últimos momentos da pesquisa e na minha opinião o resultado final da pesquisa Voxpopuli no sistema tracking foi até que muito bom dadas as circunstâncias.

Agora, a Folha (UOL), o Estadão e a Globo vão espernear porque isso é parte do jogo deles e do segmento político que eles escolheram se alinhar, mas para mim o respeito aos profissionais do Voxpopuli e ao Marcos Coimbra continua.

Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com

DIRETO DO SITE DA BAND: PESQUISA VOXPOPULI, DILMA SOBE E ABRE 12 PONTOS SOBRE SERRA. ESTADÃO E GLOBO SIMPLESMENTE IGNORAM A NOTÍCIA, PELO MENOS ATÉ ESTE MOMENTO. RECORD DÁ DESTAQUE.

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, ampliou para 12 pontos percentuais a vantagem sobre o adversário do PSDB, José Serra, segundo pesquisa Vox Populi divulgada nesta terça-feira. O levantamento aponta a petista com 51% das intenções de voto, contra 39% do tucano.

No levantamento anterior do instituto, realizado em 10 e 11 de outubro, a vantagem de Dilma era de oito pontos. Na ocasião, a ex-ministra tinha 48%, e Serra, 40%.

Na pesquisa divulgada nesta terça, os votos brancos e nulos permaneceram em 6%, enquanto o percentual dos indecisos passou de 6% para 4%. A margem de erro é de 1,8 ponto percentual, para mais ou para menos.

Considerando apenas os votos válidos - excluindo os votos brancos, nulos e indecisos -, Dilma tem 57% das intenções de voto, e Serra, 43%.

O Vox Populi ouviu 3.000 eleitores entre 15 e 17 de outubro. A pesquisa, encomendada pelo portal iG, está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número 36193/2010.

sábado, 16 de outubro de 2010

PIG USA SEUS ÚLTIMOS CARTUCHOS CONTRA DILMA ROUSSEF: VEJA (A FINA FLOR DO FACISMO) E ÉPOCA (CRIADA PARA REFORÇAR O PIG) TRAZEM ATAQUES A CANDIDATA DO PT. QUANTO AO PAULO PRETO/ALOISIO/SERRA, NADA A DECLARAR.

O PIG e Serra não vão desistir até o último momento, vão atacar Dilma Roussef com tudo que puderem, sabem que se Serra perder acabou a festa de uma vez para eles.
Por isso mesmo, Follha, Estadão, Veja e Globo (dos filhos do Roberto Marinho que não tem nome) vão tentar impedir que o Presidente Lula eleja sua sucessora até o último momento, digo sábado, dia 30 de Outubro, quando ainda poderá aparecer algum membro do Governo Lula ou alguém próximo a Dilma Roussef em uma uma foto, mesmo que seja montada, associado a um pacote de milhares de Reais no último Jornal Nacional antes da votação e podem ter certeza, ainda mais quando se tem na área alguém como Ali Kamel disposto a tudo para cumprir a missão delegada pelo filhos do Roberto Marinho sob inspiração de FHC.

Neste penúltimo final de semana antes do dia da votação, tanto Veja quanto Época tentam ainda forçar a barra com reportagens de denúncias contra Dilma Roussef para ver se conseguem convencer eleitores a não votarem em Dilma diante de um quadro em que, mesmo depois dos incessantes ataques da campanha de Serra ajudados pelo PIG durante a semana que passou, Serra não conseguiu subir sequer um pontinho nas intenções de votos até mesmo na pesquisa do Datofolha.

Vergonha, vergonha, e tem membro da justiça eleitoral que ainda tem a "cara de pau" de  tentar pressionar a TV Record e o Conversa Afiada do Paulo Henrique Amorim com ameaças de processo, enquanto o Brasil e nós assistimos o destempero desesperado do PIG contra Dilma Roussef .

Novamente, digo vergonha, vergonha....

Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

DIRETO DO TERRA: UNE anuncia campanha pró-Dilma e critica política do PSDB


O presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Augusto Chagas, atribui a "polarização do segundo turno" à decisão da entidade de declarar voto à petista Dilma Rousseff, posição também adotada pela União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES). As organizações, que na primeira etapa da corrida presidencial afirmaram que não apoiariam um determinado candidato em respeito à "pluralidade" de seus integrantes, criticaram, em notas individuais, o que entendem como viés "privatista" e "neoliberal" representado pelo tucano José Serra.


Em ambas as notas, os estudantes são "convocados" a participar do processo.


- No ambiente de polarização que se configura na atual quadra política, é fundamental que essa geração tome posição e derrote o setor conservador representado na candidatura de José Serra - diz o texto assinado pela UNE. Já a UBES evoca os "caras-pintadas", que entraram em cena durante o impeachment do ex-presidente Fernando Collor.


- E é por isso que a histórica União Brasileira dos Estudantes Secundaristas mais uma vez colocará os caras-pintadas nas ruas para impedir a volta da direita ao poder.


Apesar de ter afirmado, em abril passado, que não era tradição da UNE apoiar candidaturas, Chagas ressalta que o voto declarado à Dilma é uma postura coerente com o histórico da entidade.


- Num segundo turno, é mais natural que a entidade se posicione. É um momento em que as organizações sociais precisam emitir uma opinião mais concreta.
Tem a ver com oferecer para a sociedade a opinião da UNE, mostrar que ela está embasada no que sempre lutou. Se você olhar para os últimos 30 anos, desde que a UNE se reorganizou em 1979, e fizer um retrospecto das bandeiras que a entidade defende, você vai entender as razões pelas quais, num cenário de polarização como esse, a UNE se posiciona nesse momento.


Confira a entrevista


Terra Magazine - No primeiro turno, a UNE declarou se manteria de forma independente em relação ao processo eleitoral. Agora, no segundo turno, a entidade muda de posicionamento e declara apoio à candidata Dilma Rousseff (PT). Por quê?
Augusto Chagas - Nós reunimos a diretoria no último fim de semana e, diante da polarização do segundo turno, achamos que a UNE deveria se posicionar e indicar o voto à Dilma, muito nesse cenário de polarização e de comparar a trajetória dessas duas candidaturas, o que representam, os governos que poderíamos utilizar de exemplo nas práticas que, para a UNE, são questões muito valiosas, que são a característica da relação com o movimento social, das políticas educacionais, do desenvolvimento... Chegamos à conclusão de que a postura adequada para nossa entidade é indicar o voto à Dilma, por acreditar que seria ela a mais capaz de conduzir as propostas que a UNE, desde o primeiro turno, veio apresentado às diferentes candidaturas.


Em abril passado, durante entrevista a Terra Magazine, você comentou que não era uma tradição da UNE apoiar candidaturas e que houve poucas ocasiões em que vocês tomaram essa posição.
De fato, tentamos sustentar, ao longo da campanha eleitoral, a postura que, na nossa opinião, é a postura mais adequada para uma entidade como a UNE: de apresentar propostas. O primeiro turno é o momento em que uma série de candidaturas apresenta ideias diferentes para o rumo do Brasil, em que o debate se faz de maneira mais aberta. A UNE procurou interagir com o debate feito pela sociedade do ponto de vista de apresentar, para essas diferentes candidaturas, essas opiniões.
O segundo turno é um momento muito mais polarizado. É um momento em que a sociedade vai tomar uma posição concreta em relação a dois projetos que, na nossa opinião, são muito diferentes. A UNE, durante os anos Fernando Henrique Cardoso - e, hoje, a gente pode dizer que o Serra representa muito daquelas opiniões -, passou muitos anos num período de resistência intensa. Se pegarmos o cenário educacional naquela ocasião, por exemplo, veremos que nossas universidades federais viveram uma situação de estrangulamento. Um exemplo que sempre repetimos: A UFRJ, a mais importante universidade federal brasileira, teve a luz cortada em 2001, porque, por dois anos, não conseguiu custear sua conta de luz.
Foi um período em que a relação com o movimento social...e quando a gente fala da candidatura do Serra...Nesses últimos anos, por exemplo, na condução do governo de São Paulo, vimos se repetir essa relação. Você pega essas greves recentes dos professores. Tivemos oportunidade de participar de maneira direta daquelas reivindicações e vimos qual é o tratamento que é oferecido ao movimento social.
É por esse cenário de polarização e por achar que a UNE tem autoridade suficiente para se posicionar, que resolvemos indicar o voto à Dilma Rousseff no segundo turno.


A decisão da UNE de se posicionar no segundo turno tem relação com a reação apresentada por Serra nas pesquisas de intenção de voto?
Em segundos turnos, a UNE... Em 2002, a UNE chegou a tomar posição no segundo turno. Em 2006, a UNE acabou fazendo uma campanha de crítica ao que representava a campanha do Alckmin. Então, num segundo turno, é mais natural que a entidade se posicione. É um momento em que as organizações sociais precisam emitir uma opinião mais concreta.
Tem a ver com oferecer para a sociedade a opinião da UNE, mostrar que ela está embasada no que sempre lutou. Se você olhar para os últimos 30 anos, desde que a UNE se reorganizou em 1979, e fizer um retrospecto das bandeiras que a entidade defende, você vai entender as razões pelas quais, num cenário de polarização como esse, a UNE se posiciona nesse momento.


O fato de o Serra ter sido presidente da UNE não provocou um certo constrangimento?
Não deve haver constrangimento. A UNE respeita todos os dirigentes que passaram por ela. Nossa campanha não se personifica, não é contra a figura dele, mas contra as ideias e as políticas que hoje ele representa.
Serra ontem, inclusive, deu mais uma declaração infeliz em relação a UNE, numa atividade em Belo Horizonte, dizendo que a entidade hoje é pelega e que, na época dele, era uma organização que lutava, que tinha ideias. Eu diria que, na nossa opinião, na ocasião em que Serra era da UNE, ele estava do lado do povo, das ideias de transformação e que, hoje, infelizmente, a biografia que ele deve responder é a biografia de quem caminhou no sentido das ideias conservadoras, do atraso.


Como será o apoio da UNE à Dilma?
Nós demos essa primeira publicidade, que é uma publicidade mais oficial, divulgando a nossa nota. A ideia é que, já na próxima segunda-feira (18), a gente consiga transformar isso numa campanha. Achamos que tão importante quanto a UNE oficialmente se posicionar é divulgar isso para os estudantes. Pretendemos fazer uma ampla distribuição de materiais pelo Brasil e, principalmente, realizar debates em universidades. Ao longo do fim de semana, temos mais uma reunião em que pretendemos definir esse calendário, mas já há indicativos de realizarmos debates em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba.


Tanto a nota da UNE quanto a da UBES têm um tom de convocação dos estudante. A da UBES chega a evocar os "caras-pintadas", dizendo que, mais uma vez, os colocará "nas ruas para impedir a volta da direita ao poder". O tom é esse mesmo?
Na democracia, o fundamental é que as pessoas participem e que o debate possa acontecer. Num momento de mais polarização, em que o que está em jogo são caminhos muito diferentes, na nossa opinião, achamos que é importante, de fato, que os estudantes possam se mobilizar. Com certeza esse vai ser o tom que vamos adotar nos debates nas universidades.






Terra Magazine

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

PARA QUEM ASSISTIU APENAS A REPORTAGEM "QUEBRA GALHO" DO JN DA GLOBO SOBRE A CONEXÃO PAULO PRETO/SERRA, EIS AI A REPORTAGEM DA RECORD, A CORRETA E VERDADEIRA.




Como diria Antonilson Teles de Lima: NADA CONVENCE MAIS QUE A VERDADE.


Flávio

DIRETO DO SITE LUIS NASSIF ONLINE MARINA SILVA TERIA DITO QUE "pela minha tradição, eu seria favorável a apoiar o PT"

O que aconteceu no site do Terra?



Marina: Enviado por luisnassif, qui, 14/10/2010 - 17:57
Observação

O Terra mudou a notícia. Parece que a primeira continha imprecisões. Não mudo o título do post porque senão desapareceria o endereço original. Mas fica aí a correção. No pé do post está a notícia corrigida.

Por Nilson Fernandes

Do Terra

Marina: "pela minha tradição, eu seria favorável a apoiar o PT"

ante entrevista para o Terra TV, na tarde desta quinta-feira (14), a senadora e ex-candidata à presidência da República pelo PV, Marina Silva, afirmou que por sua trajetória e carreira política estaria "mais próxima" de apoiar o PT neste segundo turno das eleições presidenciais. "Pela minha tradição eu seria mais favorável a apoiar o PT", declarou a senadora que alcançou 20% no primeiro turno e definirá seu apoio político entre os presidenciáveis José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) no próximo dia 17.

Marina criticou a cobertura da imprensa sobre os temas relacionados ao aborto e às questões religiosas. A senadora disse ainda que, durante a disputa no primeiro turno, sentia que as perguntas que envolviam os estes assuntos eram voltadas "quase que exclusivamente" a ela. "Nos debates do primeiro turno, sentia que essas questões eram dirigidas à mim e pensava: "será que tem a ver com minha fé religiosa?'". Marina afirmou que debateu com clareza os temas ligados ao aborto e a religião. "Eu tenho a alegria de dizer que as debati e coloquei a minha posição contrária, por questões religiosas e filosóficas. Não as escondi. Espero que não tenhamos uma visão preconceito nem em relação a quem crê e nem a quem não crê", defendeu a ex-candidata.

Como o aborto tem sido a principal questão que vem pautando o segundo turno, Marina foi questionada sobre seu posicionamento em relação à opinião dos candidatos José Serra e Dilma Rousseff. "Eu não tenho condições de julgar a fé das pessoas. Se ele (Deus) não julgava, como é que eu vou julgar". Em seguida, a senadora foi questionada sobre a existência de um Estado laico no Brasil, porque o aborto não poderia ser legalizado sem a geração de polêmica. Ao responder, Marina, como vinha fazendo no período de campanha, defendeu a realização de um plebiscito popular, onde a vontade da população prevaleceria.

Por Helô Vianna

ué...

clicando no link e entrando na notícia original na página do Terra, a manchete é outra e não há o primeiro parágrafo falando da proximidade de Marina com o PT.

vejam só como está a notícia lá no Terra:

"Marina se esquiva de julgar posição de candidatos sobre aborto

Durante entrevista para o Terra TV, na tarde desta quinta-feira (14), a senadora e ex-candidata à presidência da República pelo PV, Marina Silva, criticou a cobertura da imprensa sobre os temas relacionados ao aborto e às questões religiosas. A senadora disse ainda que, durante a disputa no primeiro turno, sentia que as perguntas que envolviam estes assuntos eram voltadas "quase que exclusivamente" a ela. "Nos debates do primeiro turno, sentia que essas questões eram dirigidas à mim e pensava: "será que tem a ver com minha fé religiosa?'".

Marina afirmou que debateu com clareza as questões sobre aborto e religião. "Eu tenho a alegria de dizer que as debati e coloquei a minha posição contrária, por questões religiosas e filosóficas. Não as escondi. Espero que não tenhamos uma visão preconceituosa nem em relação a quem crê e nem a quem não crê", defendeu a ex-candidata.

Como o aborto tem sido a principal questão em pauta no segundo turno, Marina foi questionada sobre a opinião dos candidatos José Serra e Dilma Rousseff em relação ao tema. "Eu não tenho condições de julgar a fé das pessoas. Se ele (Deus) não julgava, como é que eu vou julgar". Em seguida, a senadora foi questionada sobre a existência de um Estado laico no Brasil, porque o aborto não poderia ser legalizado sem a geração de polêmica.

Ao responder, Marina, como vinha fazendo no período de campanha, defendeu a realização de um plebiscito popular. "Vai ser sempre a vontade da maioria da população, de uma sociedade democrática. Existe também outra parte da população tem posição contrária e eles tem o direito de expressar a sua posição. A gente tem que defender a liberdade de expressão para todas as questões. Cada um tem o direito de expressar a sua condição religiosa sem ser satanizado", explicou. Sobre o perfil político dos presidenciáveis José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), Marina afirmou: "os dois são pessoas com uma visão desenvolvimentista, não vem pela busca da sustentabilidade ambiental e das suas diferentes dimensões". Segundo a senadora, seus adversários no primeiro turno apresentam perfis gerenciais muito semelhantes, mas o segundo turno é uma "benção", já que os dois terão oportunidades de se diferenciar."

o que será que houve?!

eles mudaram o texto?!

que coisa estranha...

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Direto do Vermelho: PT pede apuração das maracutaias do Paulo Preto: novas denúncias revelam mar de lama no governo Serra

Paulo Preto seria o elo de ligação de Serra com esquemas antigos de PC Farias

A bancada do PT na Assembléia Legislativa de São Paulo concedeu entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (13) para revelar novas suspeitas de casos de corrupção envolvendo o chamado “homem-bomba” do PSDB, o engenheiro Paulo Vieira de Souza, também conhecido como Paulo Preto. Integrande do grupo do agora senador eleito Aloysio Nunes Ferreira, Preto era homem de confiança dos tucanos paulistas até que foi acusado de sumir com quatro milhões de reais do “caixa 2″ da campanha de Serra.

As maracutais envolvendo o ex-presidente da Dersa, Paulo Preto, já eram bastante conhecidas nos bastidores do mundo político. Matérias da revista Veja (clique aqui para ler) e da revista IstoÉ (leia aqui) já tinham trazido à tona graves suspeitas sobre o engenheiro que ocupou cargos de grande importância no governo paulista na gestão do então governador José Serra (PSDB). Mas o nome de Paulo Preto foi jogado sob holofotes mais intensos depois que a candidata do PT à presidência da República, Dilma Rousseff, durante o debate da Rede Bandeirantes, no último domingo (10), citou o desvio de R$ 4 milhões do caixa de campanha de José Serra. O dinheiro teria sido arrecadado por Paulo Preto junto a empreiteiras e depois sumido.

Durante o debate e no dia seguinte, o candidato José Serra disse que não conhecia Paulo Vieira de Souza, mas depois voltou atrás. Nesta terça-feira (12), durante evento em Aparecida do Norte, Serra saiu em defesa do ex-presidente da Dersa e disse que ele é inocente e também que já foi eleito o Engenheiro do Ano.

Denúncias sufocadas pelos tucanos

Com o nome de Paulo Preto ganhando espaço na mídia, a bancada do PT resolveu reapresentar algumas denúncias envolvendo não só Paulo Vieira de Souza mas também o ex-governador José Serra e o atual presidente da Dersa, José Max Reis Alves.

As denúncias de tráfico de influência, desvio de dinheiro público e improbidade administrativa endossam a representação que os deputados petistas devem encaminhar nesta quinta-feira à Procuradoria Geral de Justiça de São Paulo. São denúncias que já circularam pela Assembléia Legislativa de São Paulo mas foram sufocadas pela maioria governista aliada aos tucanos.

Agora, com o assunto ocupando a pauta eleitoral, os deputados petistas têm esperança que as denúncias sejam finalmente investigadas.

Paulo Preto tem estreitas ligações políticas e pessoais com Aloysio Nunes Ferreira Filho, ex-secretário da Casa Civil de São Paulo e senador eleito pelo PSDB em São Paulo. Vieira de Souza e Aloysio se conhecem há mais de 20 anos. Quando, no ano passado, o tucano sonhou em ser o candidato de seu partido ao governo de São Paulo, Vieira de Souza foi apresentado como seu “interlocutor” junto ao empresariado. A proximidade entre os dois é tão grande que a família dele contribuiu para que o ex-secretário comprasse seu apartamento.

Trajetória repleta de episódios nebulosos

“Trata-se de uma trajetória repleta de episódios nebulosos”, disse o líder da Bancada do PT, Antonio Mentor, em referência a Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto.

Segundo Mentor, antes de sair da Dersa, no final de 2009, Preto foi ainda acusado de favorecimento na indicação da própria filha, a advogada Priscila Arana de Souza Zahran, para o Escritório Edgard Leite Advogados Associados, que defende a Dersa e as mesmas construtoras que deveriam ser fiscalizadas pela estatal, no Tribunal de Contas da União e Tribunal de Contas do Estado.

Deputado eleito e presidente do PT Estadual, Edinho Silva, destacou o acesso a informações privilegiadas que a advogada tinha, ao atuar em um escritório que atendia empreiteiras fiscalizadas por se próprio pai. “É evidente o conflito de interesses”, explicou Edinho.

As empreiteiras atendidas pelo escritório onde trabalha a filha do ex-presidente da Dersa atuaram nas principais obras viárias do Estado, como o Rodoanel, a Nova Marginal e a extensão da Avenida Jacu-Pêssego. Paulo Vieira de Souza era o responsável, por exemplo, por autorizar o pagamento a estas empreiteiras.

“O contrato mais emblemático refere-se à extensão da Avenida Jacu-Pêssego. Nós, da Bancada do PT, fomos até a Dersa, por causa das desapropriações que a obra iria provocar. Paulo Preto foi acintoso, violento e ameaçador”, relatou o deputado Adriano Diogo.

Festa de R$ 1 milhão e ameaça a padre

O estilo do ‘tocador de obras’ do ex-governador José Serra também aparece nas festas que ele promove. “A festa de aniversário que ele realizou em março de 2009, na Casa das Caldeiras, custou R$ 1 milhão, e teve direito até a camelos e odaliscas”, denunciou o líder da Bancada do PT.

O deputado Adriano Diogo relatou ainda um episódio que mostra o estilo truculento do tucano Paulo Preto. Segundo Diogo, durante uma reunião para tratar dos interesses de centenas de famílias que estavam ameaçadas de despejo por causa das obras da avenida Jacú Pêssego, Paulo Preto lançou ameaças e grosserias contra o padre Franco Torresi, que estava na reunião como representante das comunidades ameaçadas de perder suas casas. “O Paulo Preto nos recebeu a contra-gosto e foi super grosseiro. Contou que durante o governo FHC ocupou cargos na área penitenciária e dirigindo-se ao padre Torresi fez um comentário em tom de ameaça. Disse que se tivesse conhecido o padre na época da ditadura, teria o colocado no pau (de arara, instrumento de tortura) e o padre não estaria ali enchendo o saco”, relatou Diogo.

A fama de arrogante e truculento de Paulo Preto é confirmada por um ilustre tucano. O atual governador de São Paulo, Alberto Goldman, chegou a escrever um e-mail a José Serra reclamando do estilo de Paulo Preto. Na mensagem, Goldman diz que o ex-diretor da Dersa é incontrolável, “vaidoso” e “arrogante”.

Vínculo com o esquema PC Farias

A representação dos deputados petistas também pede à Procuradoria investigação sobre o atual presidente da estatal, José Max Reis Alves, que já integrava a diretoria da DERSA na gestão de Paulo Vieira de Souza e foi acusado de participar do Esquema PC Farias, a máfia que atuou durante o Governo Collor, no início da década de 90.

Esta é a segunda representação que a Bancada do PT envia à Justiça sobre o ‘caso Paulo Preto’. O primeiro pedido de investigação, formulado em maio de 2009, está vinculado à Operação Castelo de Areia da Polícia Federal. “Estive reunido na semana passada com o Procurador (Fernando Grella Vieira) e o caso tramita em segredo de Justiça”, explicou o deputado Antonio Mentor.

De redação, Cláudio Gonzalez - O Vermelho

terça-feira, 12 de outubro de 2010

RECORD REPERCUTE NOTÍCIA SOBRE MARACUTAIA TUCANA, QUANDO ESTE ASSUNTO VAI APARECER NA GLOBO? TALVEZ NO DIA DE SÃO NUNCAS.....






Flávio

PIG TENTA SALVAR CAMPANHA DE SERRA DE ACUSAÇÕES DE MARACUTAIA COM ENTREVISTA DE PAULO PRETO NO UOL. SE ACUSAÇÃO FOSSE CONTRA DILMA O QUE O PIG FARIA? ADIVINHEM?

A campanha de Serra sentiu o peso da acusação pelo sumiço de mais de quatro milhões de reais arrecadados por  Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, ex-membro do governo tucano em São Paulo que “fugiu" com mais de R$ 4 milhões arrecadados junto a empresários em nome da campanha eleitoral dos tucanos.

Hoje, meio escondida no site do UOL tem uma entrevista com Paulo Preto onde o PIG tenta literalmente "quebrar o galho" dos tucanos e limpar a barra de Serra.

Isto significa que a denúncia feita por Dilma no debate do último domingo na Band esta surtindo efeito, caso contrário, o PIG não se dignaria a dar espaço a Paulo Preto, de jeito nenhum.
Ontem mesmo ja tinha aparecido uma declaração de Serra em Goias qualificando a denúncia da maracutaia tucana operacionalizada por Paulo Preto como um "factóide".

Se a denúncia fosse contra Dilma provavelmente o tratamento do UOL em relação a ela seria outro, não estaria escondida em um cantinho do site UOL, como que se fosse sem imporância.

Paulo Preto é uma bomba relógio que pode explodir com consequências extremamente graves para a campanha de Serra. Paulo Preto está desconfortável porque não é defendido por Serra, qua aliás não defendeu nem sua própria esposa. Tudo pode acontecer, podem ter certeza.

Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

SERRA FOI LITERALMENTE DESMASCARADO ONTEM NA BAND, DILMA MOSTROU PARA O BRASIL SUA VERDADEIRA FACE DE CALUNIADOR COVARDE QUE NÃO TEVE CORAGEM NEM DE DEFENDER A PRÓPRIA ESPOSA

Deixando o machismo que ainda é muito forte na sociedade brasileira de lado, vamos seguir o raciocínio do cidadão simples que trabalha no dia a dia e teve sua vida melhorada nos últimos oito anos. Como se portaria este cidadão se sua esposa sofresse algum tipo de calúnia? No mínimo, obviamente sem levar em conta a violência que não deve estar presente em hipótese alguma, iria defender sua esposa e com veemência, diga-se de passagem, ainda mais em um debate com muito espaço para isso como foi o dos candidatos a Presidência da República ontem à noite.

Mas não foi isso que vimos no debate da Band ontem à noite entre Serra e Dilma Roussef.

Serra, na realidade tem duas campanhas, a institucional e legal e a feita por debaixo do pano pelo submundo da política, que por incrível que pareça é feita com ajuda de pessoas que se dizem religiosas, como por exemplo os bispos e padres católicos de direita e pastores, como por exemplo, o tal de Silas Malafaia, nesta campanha eles se despem de suas condições de religiosos e se utilizam da mentira para lançar calúnias contra Dilma Roussef baseadas, única e exclusivamente em mentiras.

Dilma Roussef ontem apenas apontou o principal culpado desta estratégia macabra, que se esconde o tempo todo sob vestes de bonzinho enquanto tem a sua disposição uma verdadeira rede de boateiros do mal atacando a candidata apoiada pelo Presidente Lula o tempo todo.

Ficou claro para os milhões de brasileiros que assistiram o debate presidencial da Band como age e opera José Serra, só não viu quem não quis.

Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

SERRA NÃO SE CONFORMA COM A DERROTA E EM NOME DISTO VAI PARA O TUDO OU NADA, QUER TRANSFORMAR A ELEIÇÃO EM UMA GUERRA JUSTAMENTE QUANDO O BRASIL VIVE SEU MELHOR MOMENTO

Desde quando me entendo por gente nunca tive a percepção de que o Brasil vivesse um momento de estabilidade como este.
Se isso foi possível é porque o Governo Lula teve competência.
Mesmo que não seja agora, no processo democrático e ai esta o Chile que não deixa mentir, chegará o dia em que a oposição vencerá novamente.
Porém o problema é que Serra quer por que quer que seja agora em 2010, custe o que custar.
Serra é mau perdedor, parece aqueles jogadores de futebol que diante da derrota iminente de seus times começam a apelar e baterem nos adversários até serem expulsos de campo.
Nos anos sessenta e setenta do século passado, a luta livre era muito popular na televisão brasileira. Tudo era arranjado, o pessoal falava em "marmelada", mas tinha aqueles vilões, os lutadores sujos, que faziam de tudo contra seus adversários, os limpos. Durante as lutas, um lutador sujo recebia um limão de um "comparsa" e "passava" nos olhos de seu oponente que então "apanhava" pra valer.

Serra age assim, como que se fosse um lutador sujo "passando limão" nos olhos de seus adversários a todo momento.

O problema é que a eleição presidencial não é uma inocente e arranjada luta livre, é uma disputa política que envolve milhões de brasileiros e o futuro da nossa democracia e com isto não se brinca.
Serra é egoista, só pensa na presidência e não está nem ai com o resto. Tem muitos seguidores que não aceitam as regras da democracia, se pudessem iriam aos quartéis, não engolem mais quatro anos de um governo trabalhista e progressista, por muito menos derrubaram Jango em 1964.

Se deixarmos Serra vai retroceder o Brasil, talvez a única saída seja mobilizar a população e ir para as ruas defender as conquistas sociais e a democracia. Ainda há tempo para isto.

Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

VITÓRIA DE PIRRO: SERRA ESPALHA BOATOS E OS VOTOS SAEM DE DILMA E VÃO PARA MARINA, POR APENAS CERCA DE 200 MIL VOTOS MERCADANTE NÃO VAI AO SEGUNDO TURNO.

Sinceramente, os tucanos não tem o que comemorar.

Primeiro vamos esclarecer sobre Pirro de acordo com o Wikipédia:

Por ter sido um homem impressionantemente belicoso e um líder infatigável, embora não tivesse sido um rei propriamente sábio, Pirro foi considerado um dos melhores generais militares do seu tempo. Aníbal considerou-o o segundo melhor, a seguir a Alexandre Magno. Pirro era também conhecido por ser muito benevolente. Como general, as maiores fraquezas políticas de Pirro eram a falta de concentração e apetência para esbanjar dinheiro (grande parte dos seus soldados eram dispendiosos mercenários).

O seu nome tornou-se famoso pela expressão "Vitória Pírrica", quando da vitória na Batalha de Ásculo. Quando lhe deram os parabéns pela vitória conseguida a custo, diz-se que respondeu com estas palavras: "Mais uma vitória como esta, e estou perdido."
Pirro escreveu ainda Memórias e vários livros sobre a arte da guerra. Os escritos perderam-se, mas sabe-se que foram usados por Aníbal e elogiados por Cícero.

Serra não é benevolente, podem ter certeza, Marina sabe como os votos vieram para ela, se não os 19% que ela teve na reta final, pelo menos cerca de 7% acrescentados aos 12% que ela teria, estes certamente vieram de boatos espalhados pela campanha de Serra, principalmente no eleitorado evangélico.

Alckmin dormiu Governador por míseros aproximadamente 0,25% dos votos em um Estado como São Paulo, certamente deve ter perdido a maioria confortável que permitia aos tucanos impedir qualquer tipo de CPI na Assémbléia Legislativa de São Paulo.
Mercadante é um vitorioso, certamente será o próximo governador de São Paulo se seguir o conselho do Presidente Lula e persistir.

Voltando a Serra, este sim terá que dar muitas explicações, principalmente sobre seu candidato a Vice Índio da Costa, investigado por envolvimento até de desvio de recursos para merenda escolar no Rio de Janeiro. Não por acaso, ontem á noite no fechar das urnas quando o segundo turno estava certo, corria na web, principalmente no UOL, que Indío deverá ser substituido na chapa de Serra. Ai não tem jeito, "se Indio fica o bicho come, se Índio sai e corre o bicho pega", ou seja, se ele fica fragiliza Serra e se ele sai Serra passa recibo sobre o carater de seus aliados demos.

Pensando bem, até Marina teve sua vitória de Pirro, se vai para os braços de Serra trai seu passado, se fica no muro, o PV serrista vai para Serra baseado no resultado obtido na votação de Marina e ela fica falando sozinha. ou seja, politicamente a única saida de Marina é ir de Dilma e o mais depressa que for possivel, possivelmente depois da plenária do PV que ela mesmo propôs ontem, senão tudo que ela conquistou vai por água abaixo. Podem ter certeza.

Flávio Luiz Sartori - http://flavioluizsartori.blogspot.com/

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

CAMPANHA DE E-MAILS SÓRDIDOS E INFORMAÇÕES COM O INTUITO DE CONFUNDIR CONTINUA A TODO VAPOR, MAS COM EFEITO MUITO ABAIXO DO DESEJADO POR SERRISTAS E O PIG

Diante do fato de que todas tentativas de provocar a queda de Dilma Roussef e a consequente realização do segundo turno não estão dando certo, só está restando ao PIG e a campanha subterrânea composta de boatos, de apoio a Serra na internet, a estratégia de criar boatos com o objectivo de denegrir a imagem de Dilma.

A  aproximadamente umas duas horas dei uma circulada pelo centro de Campinas, fui em alguns locais onde se concentram pessoas, como por exemplo, praças e cafés. Encontrei alguns conhecidos, puxei umas conversas e constatei alguns fatos sobre a campanha eleitoral.

Primeiro, a atitude do Governo Lula de demitir a Ministra Erenice foi corretíssima, esse assunto do tráfico de influência quanto mais durasse, maior seria o estrago na campanha de Dilma, porque as pessoas associam Erenece a Dilma e não a Lula, como a ex ministra Erenice foi convidada e sair, ficou a imagem de que o Governo tomou uma atitude rapidamente. Mas, não imaginem que a população, principalmente os mais "endinheirados", não estão desconfiando de Dilma.

Segundo, o ataque de e-mails que denigrem a imagem de Dilma, de Lula, do PT e também de Michel Temer é permanente, acontece sem parar. São informações que associam, principalmente, corrupção, atos terroristas até situações de conotações sexuais.

Conclusão, dependendo do nível de formação e do acesso a informação das pessoas, assim como a história de vida das delas, que determinam o grau de preconceito que elas tem em relação aos mais variados assuntos, os boatos lançados nessa verdadeira guerra feita por ataques nos jornais, revistas, televisão, rádio e na web, poderão ou não atingir seus objetivos.
Como exemplo cito o encontro com um conhecido, um motorista de taxi do centro de Campinas, quando provoquei ele com a pergunta sobre se ele era Dilma, Serra ou Marina, a resposta foi que eu deveria tomar cuidado com Dilma, pois, ele tinha tido informações na internet contra ela, ou seja, sua justificativa para não votar em Dilma foi os e-mails que recebeu com informações contra a candidata petista.
Enquanto eu tentava mostrar para ele que estes e mails eram plantados,  apócrifos e falsos contra Dilma, outros motoristas do mesmo ponto deste motorista ao ouvirem a conversa começaram a participar, porém defendendo Dilma e concordando comigo que os e mails são falsos, assim como as pesquisas do Datafolha e parte das noticias sobre a campanha eleitoral.

Com isso percebi na prática que os boatos e noticias confusos sobre Dilma Roussef e a campanha eleitoral não encontram o eco desejado por quem os plantou, quer seja na mídia, quer seja na web.

Flávio Luiz Sartori - flavioluizsartori@gmail.com.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

BEM ESCONDIDINHA LA DENTRO DO IG ESTAVA UMA ANÁLISE DE MARCOS COIMBRA SOBRE O QUE OS NÚMEROS DA PESQUISA DIÁRIA TRACKING VOX POPULI REVELARAM ONTEM (28/09/2010)

Marcos Coimbra: "Para ter segundo turno, Dilma teria de perder 8 milhões de votos em seis dias"

Uma pequena entrevista por email, do presidente do Instituto Vox Populi, Marcos Coimbra, ao Poder Online:

Marina Silva está crescendo sobre votos de Dilma Rousseff?

– Não dá para dizer. Dilma cresceu tanto após o início do horário gratuito da propaganda eleitoral que roubou votos dos outros dois. Agora, esses votos estão, ao que parece, voltando para eles.

Quantos votos, de fato, Dilma precisa perder para que haja segundo turno?

– Nos dados de nosso tracking (corroborados por vários outros que temos de pesquisas desenvolvidas em paralelo), a vantagem dela para a soma dos outros estava em 12 pontos percentuais ontem. Se 6 pontos passassem dela para os outros, a eleição empataria e o prognóstico de vitória no primeiro turno seria impossível. Como cada ponto equivale a mais ou menos 1,35 milhão de eleitores, isso seria igual a 8 milhoes de eleitores (sem raciocinar com abstenções).

Marina Silva pode ultrapassar José Serra?

– É muito pouco provável, no conjunto do país. Possível em alguns lugares, como a região Norte e o DF. Talvez se consolide no Rio, onde ela já está na frente.

Qual o quadro que o senhor acha mais provável?

Vitória de Dilma no primeiro turno.

obs: A OBJETIVIDADE DAS RESPOSTAS DISPENSA COMENTÁRIOS.

Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com

PESQUISA DATAFOLHA DESTA MANHÃ: A “ESTRANHA” MÁGICA DE NÚMEROS QUE FAVORECEM DIRETAMENTE JOSÉ SERRA EM RELAÇÃO AOS OUTROS CANDIDATOS

Como tem feito nos últimos dias em todas pesquisas sobre a corrida presidencial que divulga, o Grupo Folha através de sua empresa o Datafolha acaba de divulgar uma pesquisa onde Dilma Roussef estaria com 46% de intenções de votos, Serra teria permanecido nos 28% que já tinha na pesquisa anterior e Marina teria subida para 14%.

Como vocês podem perceber as mudanças de números da pesquisa estão todas estritamente dentro da margem de erro da pesquisa que é de dois pontos.

Assim como na pesquisa do Datafolha para o Governo de São Paulo, a pesquisa de hoje também traz números diferentes e decisivos em relação a pesquisa do Voxpopuli, que no Tracking de ontem indicou resultados bem diferentes com Dilma com 49%, Serra 24% (quatro pontos e menos que o Datafolha) e Marina com 13% (um ponto a menos que o Datafolha).

Levando em consideração o histórico do Datafolha em favor dos candidatos do PSDB e o fato de os números desta pesquisa de hoje do Datafolha favorecerem plenamente José Serra, na medida em que colocam Serra com números bem superiores aos números aos do Voxpopuli de ontem fica difícil não considerar que esta pesquisa do Datafolha não foi feita para ajudar Serra, aliás praticamente impossível.

Flávio Luiz Sartori – flavioluiz.sartori@gmail.com

domingo, 26 de setembro de 2010

EM MEIO A CAMPANHA ELEITORAL ACOLORADA PASSA DESPERCEBIDO, MAS MICHEL TEMER, CANDIDATO A VICE DE DILMA ROUSSEF SOFRE CAMPANHA DE DIFAMAÇÃO SÓRDIDA NA INTERNET

Quem estaria por trás dos sordidos ataques
a Michel Temer?

Nestes últimos dias estamos muito focados no debate sobre a eleição presidencial e nossa referencia esta nas candidaturas que encabeçam as chapas. Nesse contesto, o que acontece com os candidatos vices acaba passando desapercebido.

Em meio ao debate que corre solto na mídia, com os ataques do PIG a candidatura de Dilma Roussef acontece também uma onda de ataques apócrifos na web contra Dilma, são milhares de e-mails e informações em blogs que associam a candidata do PT a todo tipo de coisa ruim que pode acontecer em todo momento.

Mas Dilma não tem a primazia de ser a única atacada no contesto da disputa eleitoral. Uma campanha sórdida de caráter incrivelmente maldoso é feita sistematicamente na web contra Michel Temer candidato a vice na chapa encabeçada por Dilma.

Sábado, ontem dia 25 de Setembro, faltam oito dias para e eleição, estou no bairro Santa Genebra aqui em Campinas, participo de um evento social evangélico, apenas acompanho um amigo. Conversa vai, conversa vai conversa vem com as pessoas que participam do evento quando a conversa com um deles, um jovem rapaz que participava do evento, também evangélico, provocou minha curiosidade. Ele relatou para mim existe uma campanha na Internet na qual o Deputado Michel Temer é acusado de ser satanista.

Quando ouvi o relato fiquei interessado no assunto e fui conferir no Google associando o nome Michel Temer a palavra satanismo. A resposta apareceu rapidamente em uma lista de 9.890 resultados.

Não posso afirmar categoricamente de onde vem esse tipo de iniciativa porque não tenho provas, mas o que posso afirmar é que se trata de uma campanha sórdida e maldosa com a finalidade de provocar medo nos seguimentos evangélicos da sociedade brasileira sensíveis a este tipo de acusação.

Fiz o mesmo tipo de pesquisa associando o nome de Índio da Costa, vice de Serra e não apareceu nenhum tipo de associação ao satanismo, ou seja, para que esses quase dez mil resultados associando o nome Michel Temer a palavra satanismo aparecerem no Google eles tiveram que ser plantados na Web, principalmente do Google, não tenham dúvidas.

Existem citações também afirmando que Dilma Roussef não durará mais de dois anos e que o Brasil passará então a ser governado por alguém ligado ao satanismo caso Dilma seja eleita e morra durante seu mandato.

As comunidades evangélicas precisam ser conscientizadas de que estas acusações mentirosas contra Michel Temer fazem parte do jogo sujo da campanha eleitoral, que as pessoas e as forças políticas que são contra o Presidente Lula e a candidatura de Dilma Roussef, diante da falta de perspectiva de vitória das oposições perderam a cabeça e partiram para a apelação.

Na realidade estas pessoas que cometem este tipo de maldade que não deixa de ser um pecado contra Michel Temer, assim como os evangélicos que estão sendo enganados por estas falsas acusações deveriam se lembrar das palavras do próprio Jesus Cristo que afirmou em uma de suas muitas parábolas que não se deve levantar falso testemunho contra o próximo.


Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

O BLOG "A ESSÊNCIA ALÉM DA APARÊNCIA" PEDE SEU VOTO PARA JORGE CARUSO 15113, PORQUE ELE FOI O DEPUTADO ESTADUAL QUE TEVE A CORAGEM DE ENFRENTAR AS PODEROSAS EMPRESAS DE TELEFONIA QUANDO PROPÔS E LUTOU PELA APROVAÇÃO DO PROJETO DE LEI QUE PROIBIU A COBRANÇA DA TAXA DE ASSINATURA MENSAL DOS TELEFONES FIXOS E CELULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO.




Não fique confuso, tome uma atitude e vote 
em quem tem coragem de te defender.


Jorge Caruso foi um dos únicos parlamentares que teve coragem de enfrentar as poderosas empresas de telefonia quando apresentou e lutou para que o Projeto de Lei número 255 de 2002, que deveria proibir a cobrança de Assinatura Mensal de Telefones fixos e móveis no Estado de São Paulo  fosse aprovado.

Mesmo que a lei aprovada não tenha entrado em vigor imediatamente devido aos recursos judiciais impetrados pelas poderosas empresas de telefonia, o ato em si da corajosa iniciativa do Deputado Estadual em favor de uma imensa maioria de consumidores que não aceitam essa situação é extremamente louvável e digno de ser respeitado.

Como consumidor que a anos tem a consciência de que a cobrança desta taxa é uma injustiça para todos os cidadãos brasileiros afirmo que todo parlamentar que age com coragem e determinação, principalmente em relação aquilo que é abusivo deve ter nosso apoio porque é desse tipo de atitude que qualquer parlamento precisa.

Nesse sentido, peço aos meus amigos e seguidores que no próximo dia 03 de Outubro votem em Jorge Caruso 15113 para Deputado Estadual, para que a coragem continue imperando na Assembléia Legislativa de São Paulo.


Flávio Luiz Sartori

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

DATAFOLHA CONTINUA CUMPRINDO SUA MISSÃO DE DIVULGAR PESQUISA COM RESULTADOS QUE FAVORECEM CANDIDATOS APOIADOS PELO PIG.

Por isso mesmo não adianta ter esperanças, para o Datafolha, Alckimin não cai e Mercadante não sobe, possivelmente só nas vésperas quando não der mais para enganar.

As pesquisas eleitorais, principalmente do Datafolha, se transformaram em instrumento de propaganda enganosa.

O ódio da família Frias ao PT e o Presidente Lula chegou a um estágio incontrolável que transcende a razão.

Diante da constatação de que o Grupo Folha foi para guerra contra o PT, Dilma e Lula fica muito difícil imaginar que o Datafolha divulgaria um resultado de pesquisa mostrando uma queda de Alckimin e uma subida de Mercadante neste momento, mesmo faltando só dez dias para o dia da eleição.

Nesse contesto temos que ter claro que o Datafolha, uma empresa do Grupo Folha, se transformou em um instrumento de informação e contra informação como parte da propaganda política do PIG em favor dos candidatos das coligações lideradas pelos partidos conservadores, principalmente o PSDB e o DEM.

A divulgação dos resultados das pesquisas políticas do Datafolha, que em um primeiro momento deveriam ser apenas parte do noticiário da mídia que cobre as disputas eleitorais, infelizmente, hoje, no Brasil se transformaram em um instrumento da estratégia articulada pelas forças políticas e a elite que estiveram no poder no Brasil até 2002 e continuam ativas e no poder em alguns estados, para manipular a opinião pública em favor de seus candidatos.

Quando mantém Alckimn com 51% e Mercadante com 23% de intenções de votos estimulados em suas pesquisas em São Paulo, o Datafolha esta apenas fazendo parte de uma estratégia política de defesa da candidatura tucana divulgando informações de Alckimin esta com índices de preferência junto ao eleitorado difíceis de serem superados pela candidatura Mercadante.

Com isso o Datafolha demonstra que, ao contrário de ser um instituto de pesquisa, como o Grupo Folha tenta demonstrar, é na realidade um instrumento de fabricar informações favoráveis a uma candidatura política que disputa uma eleição e que tem uma estratégia de propaganda baseada no principio de que esta tão forte que não pode ser derrotada.

Por isso mesmo podemos afirmar que as falsas pesquisas cumpriram e ainda cumprem um nefasto papel na história recente do Brasil. Podem ter certeza.

Flávio Luiz Sartori – flavioluiz.sartori@gmail.com

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

PROPAGANDA MALDOSA CONTRA O PT NA WEB E INSINUAÇÕES SOBRE O INCIDENTE COM METRÔ EM SÃO PAULO REVELAM A VERDADEIRA FACE DE SERRA

O PSDB lançou um vídeo na web direcionado a disseminar o terror, principalmente na classe média, contra o PT. No vídeo o presidente Lula aparece como alguém que ajudou a segurar os petistas em possíveis atos de vingança e outros abusos. A Ministra Dilma Roussef é retratada como alguém que esta na posição de candidata a presidência porque é amiga do presidente.

Desde ontem quando aconteceu a paralisação do metrô em São Paulo, Soninha uma das possíveis únicas blogueiras de Serra começou a twittar que o incidente teria sido provocado e por pessoas com interesses político. Hoje Serra também fez coro à sua blogueira com as mesmas insinuações.
São ações inequívocas próprias de quem esta perdendo o jogo, não aceita este fato de forma alguma e por isso mesmo começa a apelar.
Serra só conseguiu ir ao segundo turno em 2002 porque o Planalto articulou a denúncia do caso Lanus contra Roseana Sarney e porque durante a campanha eleitoral usou de todos os tipos de trapaça e denúncias contra Ciro Gomes com ajuda da Tv Globo.
Quem se utiliza práticas à margem do jogo democrático é Serra e seus aliados.
Querer induzir o eleitorado brasileiro, mesmo que seja os da classe média mais sensível a este tipo de insinuações, a acreditar que o PT representa um perigo para a democracia brasileira é desprezar o censo crítico dos eleitores brasileiros, é reduzir eles a simples massa de manobra e nada mais.
Ao utilizar este tipo de propaganda baseada em insinuações, Serra e seus aliados demonstram desprezo as regras básicas do jogo democrático e partem para a apelação baseada em suposições sem provas.
Como pode então Serra querer posar como paladino na defesa da democracia ao mesmo tempo em que lança mão da estratégia do vale tudo?
Alguém como Serra que não respeita as regras democráticas do debate político não tem moral para falar em defesa da democracia. Podem acreditar e ter certeza.

Flávio Luiz Sartori – flavioluiz.sartori@gmail.com