quarta-feira, 22 de março de 2017

A AÇÃO TRESLOUCADA DE MORO AO DETER O BLOGUEIRO EDUARDO GUIMARÃES ONTEM, 21/03, TEVE REPERCUSSÃO NO TWITTER MUITO MAIOR QUE O ESPERADO.

A participação das pessoas debatendo e criticando a ordem judicial do juiz 
Sérgio Moro na detenção provisória para interrogação do blogueiro Eduardo 
Guimarães foi intensa durante o dia de ontem nas redes sociais e no Twitter.


A ação ilegal do juiz(?)  Sérgio Moro que determinou de forma arbitrária a condução coercitiva  para interrogatório do blogueiro Eduardo Guimarães ontem, 21/03, teve repercussão nacional muito maior do que seria esperado, principalmente em se tratando de um blogueiro que não esta entre os mais conhecidos e seguidos, como seria o caso de dos blogs “Conversa Afiada”, “Viomundo” e “Tijolaço” dentre outros.

Maior exemplo da repercussão e da dimensão que o ato tresloucado de Moro teve pôde ser constatado nas redes sociais no decorrer de ontem culminando em um processo de mobilização da sociedade civil em defesa de Eduardo Guimarães que envolveu amplos segmentos, que transcendeu  as expectativas e teve como conseqüência a consequente pressão da opinião pública que inevitavelmente colocou Moro e seus comandados, principalmente da Policia Federal, na defensiva.

No entanto, foi no Twitter que a repercussão na internet da ação de Moro pôde ser constatada com mais intensidade, na medida em que o assunto “Eduardo Guimarães” permaneceu em destaque praticamente a maior parte do dia de ontem entre os dez assuntos do momento em todo o Brasil.

O assunto “Eduardo Guimarães” entrou no Twitter logo pela manhã ali pelas dez horas e foi ficando na medida em que as pessoas repercutiam até à tarde próximo as 18 horas, com opiniões contrárias e a favor, sendo que os defensores de Eduardo Guimarães eram ampla maioria. O fato é que milhares de “twitteiros” aderiram ao assunto com suas opiniões e isso deve ser considerado um importante fator de mobilização da opinião pública sem a participação dos grandes grupos de comunicação tradicionais que apoiaram o golpe parlamentar do ano passado no Brasil contra uma presidenta eleita e inocente.

A repercussão da tentativa de intimidação de Moro contra Eduardo Guimarães nas redes  sociais e no Twitter foi tão real praticamente todo o dia de ontem, que mesmo fingindo que não estavam sabendo do fato durante a maior parte do dia, ao final da tarde, a Globo dos irmãos Marinho, a  Folha UOL e o Estadão dentre outros, foram obrigados a repercutir o assunto “Eduardo Guimarães”, mesmo que tenha sido sem destacar o caráter ilegal e autoritário do ato inconsequente de Moro.

Conclusão, a cada momento que passa, mais e mais pessoas passam a se informar pela internet alem de participar das redes sociais com suas próprias opiniões, em um processo que já é, a muito tempo, irreversível.


quarta-feira, 8 de março de 2017

É SEMPRE BOM LEMBRAR QUE O DIA DAS MULHERES NASCEU DA LUTA DE TRABALHADORAS CONTRA A OPRESSÃO E PELO DIREITO A UMA VIDA COM DIGNIDADE.

Século XIX, o capitalismo consolidava a industrialização e uma 
das principais fontes de trabalho ainda praticamente escravo 
foram as mulheres que eram obrigadas a trabalhar 16 horas 
por dia em troca de salários miseráveis.


Em tempos de luta pela democracia  em um Brasil, que vive sob o nefasto governo golpista comandado pela Rede Globo dos irmãos Marinho com um presidente Temer fantoche a serviço das elites atrasadas com origem escravagista, temos a obrigação de lembrar como nasceu o DIA DAS MULHERES.

Em 8 de março de 1857 mulheres operárias de uma fábrica de tecidos em Nova York fizeram uma greve para reivindicar melhores condições de trabalho. Na metade do século XIX as mulheres eram obrigadas a trabalhar 16 horas por dia e recebiam apenas um terço do que os homens ganhavam.

Em pleno século XIX aquelas heroicas americanas fizeram uma greve para reivindicar redução na carga diária de trabalho para 10 horas, equiparação de salário com os homens e tratamento digno no trabalho.

A greve foi reprimida com violência. As mulheres grevistas foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 operárias tecelãs morreram queimadas.

As mulheres americanas de Nova York  se tornaram mártires e foram consideradas um símbolo na luta pelos direitos das mulheres.

Somente em 1910, durante uma conferência na internacional das mulheres socialistas, realizada em Copenhague, Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857.

Nos últimos tempos o dia das mulheres foi transformado em uma data comemorativa onde namorados, maridos e amigos são incentivados a presentear suas homenageadas pela mídia de consumo. 

Nada contra os presentes, afinal que não gosta de ser presenteado? No entanto, não podemos esquecer que ainda vivemos em um mundo machista, principalmente neste momento em que o Brasil esta sob um governo ilegal e golpista, que se instalou no poder para retirar direitos conquistados com muita luta pela maioria da população trabalhadora, dentre as quais estão milhões de mulheres.

Neste contesto, o dia das mulheres é, acima de tudo, uma data de reflexão e luta.



sábado, 18 de fevereiro de 2017

A PROCURA DA FELICIDADE DA INFÂNCIA QUE NUNCA ESQUECEMOS

Bruna usa a simplicidade para se comunicar com as pessoas.


Estava caminhando pelo centro de Campinas na sexta feira dia 10 de Fevereiro, quanto em plena praça José Bonifácio em frente a catedral deparei com uma cena inusitada, uma brincadeira de amarelinha onde as pessoas que passavam próximo a brincadeira eram convidadas a participar de um “jogo de amarelinha”.

Curioso, fui até o local para saber mais detalhes sobre a brincadeira, encontrei com Bruna Farine Milani e Josenilson Santos. A brincadeira era simples, um desenho com giz de uma amarelinha e Bruna e Josenilson convidavam as pessoas para uma participação no “jogo da amarelinha”.

A interação de Bruna e Josenilson com as pessoas acontecia com quem passava pelo local, principalmente as mulheres, mas homens também participaram, como por exemplo um trabalhador marroquino radicado no Brasil que praticou a amarelinha com muita desenvoltura.

Bruna Farine Milani é de São Jose do Rio Preto e passou parte de sua infância em Palestina no interior de São Paulo em meio á brincadeiras de criança. Arquiteta formada, atualmente faz pós-graduação em São Paulo em habitação social e mora em Santos.


O jogo da amarelinha, na realidade é uma ação de chamamento das pessoas para se divertirem e resgatarem a criança que todos ainda temos em nós mesmos e que esta esquecida em meio ao dia a dia de trabalho e atividades cotidianas. O que esta fazendo com que as tradições herdadas de nossos pais e avós sejam cada vez mais esquecidas.  A atividade faz parte de um processo seletivo do  Guerreiros sem Armas, http://institutoelos.org/gsa/, no processo seletivo Caminhos do Sim que não é nenhum tipo de disputa, mas apenas uma ação de cooperação que envolve os participantes que apenas precisam mostrar a capacidade de mobiliar para ações comunitárias.

A atividade e a brincadeira de Bruna e Josenilson no centro de Campinas, na realidade é muito mais que uma mobilização para ação comunitária porque resgata momentos de felicidade que nossa sociedade vem perdendo a muito tempo, principalmente no caos urbano das metrópoles.

Em meio a correria desenfreada do centro de Campinas, Bruna e Josenilson conseguiram fazer algumas centenas de passantes, aparentemente dominados pelas suas obrigações dos compromissos cotidianos, a pararem para um momento de brincadeira e também de reflexão sobre a procura de uma felicidade que aparentemente perderam, mas que ainda reside muito bem guardada nas lembranças de nossos melhores momentos da infância e isso   faz lembrar a bela canção Felicidade de Lupicinio Rodrigues imortalizada em uma bela versão por ninguém menos que Caetano Veloso:

Felicidade foi-se embora
E a saudade no meu peito ainda mora
E é por isso que eu gosto lá de fora
Porque eu sei que a falsidade não vigora

A minha casa fica lá detrás do mundo
Onde eu vou num segundo quando começo a cantar
O pensamento parece uma coisa à toa
mas como é que a gente voa quando começa a pensar...



segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

MOVIMENTOS POPULARES SE MOBILIZAM CONTRA O ABUSIVO AUMENTO DAS PASSAGENS DE ÔNIBUS EM CAMPINAS E CONVOCAM MANIFESTAÇÃO PARA A PRÓXIMA QUARTA FEIRA, DIA 11 A PARTIR DAS 17 HORAS NO LARGO DO ROSÁRIO

Desde que o abusivo aumento das passagens de ônibus foi
anunciado, manifestações espontâneas estão
acontecendo em vários pontos de campinas.

O aumento da passagem de ônibus em Campinas de R$ 3,80 para R$ 4,50 teve também o inicio disfarçado de eliminação da integração, uma conquista dos usuários de ônibus,  que agora o Governo Jonas ameaça banir. Para atingir tal objetivo foi montada uma farsa de que a passagem aumentou de R$ 3,80 para R$ 4,20 e o usuário que fizer integração pagará mais R$ 0,30.

 Na realidade, o governo do Prefeito Jonas Donizette “deu uma facada” nas costas de uma parcela dos eleitores trabalhadores, que foram iludidos pela onda anti-política que invadiu o Brasil no período pós golpe parlamentar tendo como conseqüência a disseminação do ódio que levou uma parcela dos eleitores a rejeitar os partidos políticos de esquerda, principalmente o PT.

Jonas Donizette e seus aliados tentam se enganar porque imaginam que foram eleitos por 65,43% dos votos, o que é uma imensa farsa porque esta porcentagem da votação é calculada tendo como base um universo de 636.057 eleitores que votaram e que representam 77,38% dos eleitores sem levar em conta que 189.789 eleitores que correspondem a 22,62% do eleitorado de Campinas, que se abstiveram e não votaram na eleição para prefeito no ano passado. A verdade é que Campinas tinha em Outubro, quando foi realizada a eleição, um total de 822.036 eleitores e os 323.308 eleitores de Jonas Donizette representam 39,33% de todo este eleitorado de Campinas, ou seja, 60,67% dos eleitores de Campinas não votaram em Jonas Donizette.

Mesmo assim, com esta maioria comprovadamente falsa, o Governo Jonas, sem dar o mínimo espaço para qualquer forma de consulta popular, impôs a Campinas uma das passagens de ônibus mais altas de todo Brasil, principalmente para moradores das periferias  já traumatizados pela carestia e o desemprego e dentre os quais esta parte significativa dos eleitores de Jonas.

Diante de tal abuso por parte de Jonas e seus apoiadores, os movimentos populares de Campinas, incluindo trabalhados e estudantes, iniciaram ontem, 09/01, mobilização para que o aumento abusivo no preço das passagens de ônibus seja revogado imediatamente pelo Prefeito Jonas Donizette.

Reunidos na sede do Sindicato dos Frentistas, estudantes e trabalhadores resolveram entrar em estado de mobilização constante contra o abusivo aumento das passagens de ônibus em Campinas e a primeira manifestação esta marcada o Largo do Rosário na próxima quarta feira dia 11 de Janeiro a partir das 17h.

Os estudantes e os trabalhadores, com apoio de praticamente todos partidos de esquerda de Campinas, alem da exigência da revogação do aumento injusto, denunciam também a tentativa descarada do Governo Jonas de querer abolir a integração, que terá como uma das principais conseqüências a dificuldade das pessoas visitarem seus familiares, criando assim uma realidade de distanciamento nas famílias e isto nada mais é do que eliminação direitos conquistados pela sociedade campineira.

domingo, 4 de dezembro de 2016

ATÉ QUANDO A GLOBO PENSA QUE VAI PODER CONTINUAR ENGANANDO OS BRASILEIROS COM SUAS MANIPULAÇÕES?

Cada vez mais pessoas estão percebendo o quanto nociva a
Globo é para nossa sociedade.

Diante do fracasso do golpe parlamentar patrocinado pela mídia e as elites, personalizado na figura vazia de uma Presidência da República ilegítima e cada dia mais inoperante, cujo resultado é o agravamento progressivo da crise econômica, os partidos que patrocinaram o golpe no Congresso Nacional, principalmente o PMDB, PSDB e o DEM e a mídia controlada pela elite retrograda, estão cada vez mais emparedados e sem ter em que se apegar no sentido de se justificar perante a opinião pública da maioria dos brasileiros que, a cada momento que passa, estão percebendo quanto foram enganados.  

A justificativa de convocar uma manifestação para ontem, 04/12, um domingo, nos mesmos moldes do que aconteceu antes do golpe contra o mandato legal da Presidenta Dilma Roussef, usando como motivo a aprovação de alterações pela Câmara dos Deputados das chamadas medidas contra a corrupção, principalmente em relação a abusos cometidos por juízes e o ministério público, pode até parecer em um primeiro momento um motivo aceitável, mas se pararmos para analisar com frieza logo perceberemos que não foi exatamente isso. 

O enfraquecimento constante do ilegítimo governo Temer e seus sócios golpistas é cada vez mais evidente, principalmente em relação ao agravamento da crise econômica, aliás como muito bem lembrou o Senador Lindberg Farias, que classificou as manifestações como fracas e mera cortina de fumaça para desviar a atenção dos milhões de brasileiros que estão perdendo seus empregos.

Não são somente os políticos golpistas que patrocinaram o ataque a democracia ao derrubarem uma presidenta legitimamente eleita, é também a elite brasileira e os meios de comunicação, a mídia, controlados por esta mesma elite é que estão comprometidos, como se diz no jargão popular, “até o pescoço”, com tudo de nefasto que esta acontecendo com o povo brasileiro ns últimos meses.

Quando desde manhã de um domingo observamos a Globo dos irmãos Marinho convocando “coxinhas” e todo tipo de fascista que ainda, infelizmente existem em nossa sociedade, para irem às ruas defender a Lava Jato e seus juízes e procuradores contra os 200 corruptos que eram comandados pelo bandido Eduardo Cunha no Congresso Nacional, obviamente que temos que parar para pensar sobre com que moral a Globo sai convocando estes incautos, que ainda não enxergaram que o principal problema do Brasil neste momento é a economia, se foi ela mesma Globo que endeusou os 200 picaretas de Brasília até eles fazerem o serviço sujo de destruir nossa democracia?

Sinceramente, não nos resta outro raciocínio, senão o de deduzir que os irmãos Marinho e seus asseclas, que comandam o jornalismo da Globo, não tem o mínimo respeito pelos milhões de brasileiros, que a mais de meio século todo “santo dia” estão lá na frente de seus aparelhos de televisão em suas casas dando a Globo a audiência, que permite a sua liderança  e também seus imensos lucros em cotas de publicidade.

Não é só o juiz Sérgio Moro que é parcial em nosso país, é principalmente nossa mídia, que impõem seu jornalismo totalmente favorável aqueles que apenas querem tirar os direitos das camadas mais pobres da população.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

DIRETO DO ESTADÃO: Fundador do PSC pede a Lava Jato que investigue pastor Everaldo.

Pastor Everaldo com Silas Malafaia e Eduardo Cunha.
 "Então, numerosos falsos profetas surgirão e enganarão a muitos". Matheus 24:11

Diante do fato de que o site do Estadão não esta permitindo que esta reportagem  seja repercutida nas redes sociais, resolvemos publicar ela aqui no "Essência Além da Aparência".
Deixamos bem claro que não temos nada contra qualquer religião em específico, temos contra pessoas que se utilizam da religião para se enriquecer de maneira ilícita, estamos falando dos vendilhões do templo que foram expulsos pelo próprio Jesus Cristo a quase dois mil anos.
Também somos críticos ferrenhos da falta de imparcialidade da Lava Jato, que não move "uma palha" contra políticos do PSDB.

Fundador do PSC pede a Lava Jato que investigue pastor Everaldo, ex candidato a Presidência da República em 2014.

Em petição ao juiz Sérgio Moro, fundador do partido Vitor Nósseis diz que candidato à Presidência em 2014 e secretário-geral da agremiação, Antônio Oliboni, receberam 'vultosas quantias de dinheiro' de empresas investigadas na operação.

Por Mateus Coutinho e Julia Affonso direto do Estadão
07 Novembro 2016 | 05h00

Enquanto partidos tentam articular uma brecha para anistiar o caixa 2, em meio aos avanços da Lava Jato com delações que devem atingir as principais siglas do País, um dos fundadores do Partido Social Cristão (PSC), Vitor Abdala Nósseis, denunciou o candidato de sua própria agremiação à Presidência em 2014, pastor Everaldo. Em petição ao juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba, Nósseis pediu que a força-tarefa da Lava Jato investigue o pastor e o secretário-geral do PSC, Antônio Oliboni.


DOCUMENTO

Na denúncia, Nósseis pede ainda ao juiz da Lava Jato que bloqueie os bens de Everaldo e Oliboni. Segundo ele, o pastor e o secretário-geral do partido receberam ‘vultosas quantias de dinheiro’ de empresas investigadas na operação ‘com indício de prática de crime de lavagem de capitais e organização criminosa’.
Como ‘provas’ das suspeitas levantadas contra seus correligionários, Nósseis anexou à denúncia comprovantes de doações registradas na Justiça Eleitoral ao PSC e ao candidato à Presidência pela sigla em 2014.
Uma das linhas de investigação da Lava Jato é de que as doações oficiais eram uma forma de lavar dinheiro de corrupção para as siglas e os candidatos.
A tese é uma das maiores preocupações dos partidos atualmente com o avanço da operação. Até agora nenhum representante partidário havia afirmado que as doações recebidas pela sigla eram propinas do esquema de corrupção na Petrobrás.
Para o fundador do PSC, seus correligionários receberam ‘vultosas quantias em dinheiro oriundo do esquema criminoso’.
“Verifica-se que esses repasses eram periódicos e aconteciam à medida que o esquema criminoso se desenvolvia, confiantes na impunidade, protegidos por parlamentares e membros do Executivo, mentores de todo o esquema criminoso”, segue a denúncia.
Desentendimento. A denúncia encaminhada para a sede da Lava Jato, em Curitiba, não é o primeiro episódio em que Nósseis, que presidiu o PSC por 30 anos, acusa seus correligionários na Justiça por supostas irregularidades.
Na convenção do PSC realizada em 17 de julho do ano passado, ele foi destituído do cargo de presidente nacional da legenda. Inconformado com o resultado ele está questionando a convenção – que classifica como ‘fraudulenta’ – na Justiça.
Até o momento, seus questionamentos não obtiveram sucesso.
Em manifestação a Moro na quinta-feira, 3, a força-tarefa da Lava Jato pediu indeferimento da solicitação de Nósseis, que pediu para ser cadastrado aos autos do processo.
Segundo os procuradores da República que integram a força-tarefa, o fundador do PSC não atende aos ‘requisitos mínimos’ para ser cadastrado nas investigações penais da Lava Jato.
“É possível verificar que, embora os fatos narrados possam se inserir no âmbito do esquema criminoso investigado na Operação Lava Jato, eles não se relacionam diretamente com o objeto dos autos a que o peticionário requereu habilitação. Os representados Everaldo Dias Pereira e Antônio Oliboni não
são partes e não trabalharam para as empresas investigadas nos autos em consideração, não apresentando, em uma análise prévia, conexão com os fatos que fundamentam as investigações neles promovidas, o que demonstra que, efetivamente, não existe interesse do requerente em ser habilitado aos autos”, assinalam os procuradores da Lava Jato.
Os investigadores informaram ainda a Moro que também receberam a denúncia feita por Nósseis e que ainda vão analisar o caso.

COM A PALAVRA O PSC:
“O Partido Social Cristão (PSC) esclarece, por meio do seu departamento jurídico, que:
Vitor Nósseis foi presidente do PSC durante 30 anos, desde a sua fundação em 1985 até 2015.
Em um processo democrático de alternância de poder, ocorrido durante convenção partidária legítima, Nósseis foi sucedido por Everaldo Dias Pereira na presidência do PSC, eleito por unanimidade, no dia 17 de julho de 2015.
Nósseis passou, então, a ocupar o cargo de Presidente de Honra do PSC – também ficou responsável pelo desenvolvimento dos trabalhos da Fundação Pedro Aleixo, onde está até os dias de hoje como vice-presidente. Tudo está registrado em ata notarial (lavrada no 1º Ofício de Notas e Protestos de Brasília-DF, Livro 0007-AN, fl. 081).
Ocorre que Nósseis não aceitou a sucessão. Inconformado em ter perdido a presidência nacional do PSC, vem proferindo uma série de ataques infundados ao presidente nacional do PSC, Everaldo Dias, e ao seu secretário Geral, Antonio Oliboni.
Nósseis impetrou ação na 25ª Vara Civil de Brasília (processo nº 2015.01.1.111705-0), contestando a legitimidade da Convenção e perdeu. Ele também informou ao MP de Fundações de Belo Horizonte sobre essa suposta denúncia agora feita ao juiz Sergio Moro. Porém mais uma vez não obteve sucesso – o promotor entendeu que os fatos não são da competência daquela Promotoria de Justiça Especializada.
O PSC lamenta que a Operação Lava Jato, a maior operação de combate à corrupção já realizada no país, esteja sendo usada como objeto de disputa pessoal por um dos seus quadros.”

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016: A ESTRANHA ESTÓRIA DAS DUAS PESQUISAS ELEITORAIS CUJOS RESULTADOS NÃO FORAM DIVULGADOS. O QUE AS PESQUISAS MOSTRARAM QUE OS ELEITORES DE CAMPINAS NÃO PODEM SABER?

Até quando vai durar a mentira das elites retrogradas de Campinas?

O blog a Essência Além da Aparência, atento ao cenário político, percebeu que nas últimas quatro semanas uma empresa de nome INSTITUTO VERITA LTDA – EPP, (http://www.institutoverita.com.br/), CNPJ 00.654.576/0001-72, localizada no bairro Tabajara em Uberlândia, triângulo mineiro registrou por conta própria e risco na Justiça Eleitoral duas pesquisas referentes a disputa para prefeito de Campinas. No registro das duas o Véritas figura como realizador e contratante da pesquisa. A primeira pesquisa de número SP-02457/2016, com 607 entrevistas, com valor de R$ 18.000,00, foi registrada no dia 22/08/2016 com previsão de divulgação para o dia 28/09/2016, o que não aconteceu misteriosamente. A segunda pesquisa de número SP-09576/2016, 709 entrevistas, com valor de R$ 20.000,00, foi registrada no dia 06/09/2016 com previsão de divulgação para o dia 12/09/2016. E para nossa surpresa novamente não foi divulgado o resultado. Por que não se divulgou? O que estas pesquisas revelaram que o eleitor campineiro não pode saber?

Como não ocorreram as divulgações, que inclusive teve a primeira pesquisa anunciada que seria divulgada até no jornal conservador Correio Popular na sua coluna “Xeque Mate”, o Instituto Verita foi cobrado por este blog e se limitou, sem maiores detalhes a dizer que o resultado da pesquisa não seria mais divulgado. A não divulgação acabou gerando um fato político que está mexendo no tabuleiro político da cidade.

Diante do fato de que a mídia local não deu importância a este assunto fomos atrás das razões da não divulgação da pesquisa. Insistentemente passamos a ligar para a assessoria de imprensa do Instituto Verita para saber por que somente os números da pesquisa para prefeito de Campinas não tinham sido divulgados, já que em outros municípios que a empresa realizou suas pesquisas recentemente a divulgação foi feita. Vale lembrar que os telefonemas nunca tiveram retorno.

Com a negativa do Veritá em esclarecer o assunto, a cobrança se tonou mais incisiva e ontem (14/09/2016) por volta das 11 horas, o assessor de imprensa do Veritá que se identificou como Paulo, entrou em contato com o blog e argumentou que por decisão da contratante das pesquisas elas não seriam divulgadas. A justificativa acabou expondo uma contradição. Como que a contratante que é o próprio Veritá não teria mais interesse de divulgar os números de suas pesquisas? Percebendo a visível contradição o assessor encerrando a conversa nos recomendou a leitura da Resolução do TSE de nº 23.453, de 15 de dezembro de 2015, que dispõe sobre pesquisas eleitorais para o pleito de 2016.

Segundo a Resolução 23.453 no seu “Capítulo II DO REGISTRO DAS PESQUISAS ELEITORAIS na Seção II Da Divulgação dos Resultados, no Art. 13. Mediante requerimento ao Juiz Eleitoral, o Ministério Público Eleitoral, os candidatos, os partidos políticos e as coligações poderão ter acesso ao sistema interno de controle, à verificação e à fiscalização de coleta de dados das entidades e das empresas que divulgarem pesquisas de opinião relativas aos candidatos e às eleições, incluídos os referentes à identificação dos entrevistadores e, por meio de escolha livre e aleatória de planilhas individuais, mapas ou equivalentes, confrontar e conferir os dados publicados, preservada a identidade dos entrevistados (Lei nº 9.504/1997, art. 34, § 1º).

§ 1º  Além dos dados de que trata o caput, poderá o interessado ter acesso ao relatório entregue ao solicitante da pesquisa e ao modelo do questionário aplicado, para facilitar a conferência das informações divulgadas.

§ 2º  A solicitação de que trata o caput deverá ser instruída com cópia da pesquisa, disponível na página do respectivo Tribunal Eleitoral, na Internet.

§ 3º  Os requerimentos a que este artigo se refere serão autuados na classe Petição (Pet).

§ 4º  Autorizado pelo Juiz Eleitoral, a empresa responsável pela realização da pesquisa será intimada para disponibilizar o acesso aos documentos solicitados.

§ 5º  Sendo de interesse do requerente e deferido o pedido, a empresa responsável pela pesquisa lhe encaminhará os dados solicitados para o endereço eletrônico informado, ou por meio da mídia digital fornecida por ele, no prazo de dois dias, e, em igual prazo, permitirá seu acesso, ou de representante por ele nomeado, à sede ou à filial da empresa para o exame aleatório das planilhas, mapas ou equivalentes, em horário comercial, na forma definida pelo relator da Petição – Pet.”

Diante do silêncio do Veritá em relação a não divulgação dos números das pesquisas cabe aos partidos políticos de Campinas entrar com uma petição junto ao Juiz Eleitoral de Campinas e solicitar as informações que a legislação eleitoral permite que sejam fornecidas. No entanto, para a opinião pública dos eleitores permanece a indagação: a quem interessou a não divulgação das pesquisas?


Por Cezar Oda e Flávio Luiz Sartori