segunda-feira, 30 de junho de 2014

ALEXANDRE PADILHA SEMPRE FOI E CONTINUA SENDO UM FORTÍSSIMO CANDIDATO AO GOVERNO DE SÃO PAULO. RESULTADOS DE PESQUISAS DUVIDOSAS FABRICADAS PARA ENFRAQUECER SUA CANDIDATURA SERÃO DESMASCARADOS COMO FORAM NA ELEIÇÃO PARA PREFEITO DE CAMPINAS EM 2012.


Márcio Pochmann saiu de 1% no duvidoso IBOPE em Julho de 2012 para
quase 30% dos votos em Outubro de 2012. Alexandre Padilha certamente 
repetirá a façanha quando a verdade começar a aparecer no
debate durante a campanha eleitoral.



Como profissional de pesquisa de mercado e opinião não acredito em pesquisas eleitorais do IBOPE e, principalmente do Datafolha. Os seguidos erros destas empresas de pesquisa sempre com resultados favoráveis aos candidatos do PSDB e das mídias controladas pelas elites tradionais deixam claro que as pesquisas eleitorais para essas empresas se transformaram em truques de mídia para mostrar certos candidatos em alta na opinião pública ao mesmo tempo também impedir o crescimento de outros candidatos desacreditando eles com números desfavoráveis.

Na eleição deste ano para o Governo de São Paulo a mídia nativa e tradicional, principalmente a Folha, o Estadão, a Veja e a Globo dos sonegadores irmãos Marinho, aliada do PSDB e seus parceiros a muito tempo, tem feito um esforço descomunal para tentar desacreditar a candidatura ao Governo de São Paulo do ex Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que tem apoio da Presidenta Dilma Roussef e o ex Presidente Lula.

Sabendo que a situação do Governador Geraldo Alkimin é cada vez mais difícil, depois de vinte anos de tucanos e aliados no poder, com desgastes que cada vez mais se avolumam, a elite tradicional paulista se refugia na possibilidade de ascensão da candidatura do empresário e ex presidente da FIESP, Paulo Skaf, como uma carta na manga contra Alexandre Padilha, caso o atual governador tucano não consiga ter condições de se reeleger. Por isso atacam o candidato do PT apoiado por Lula de forma covarde praticamente todas semanas nos últimos meses.

Ora, se Padilha fosse fraco como mostra a última pesquisa do duvidoso Datafolha, porque ele estaria sendo atacado e sofrendo tentativa de descrédito dessa forma a todo momento? A pouco li a repórter coxinha da Globo News, Cristiana  Franco, escrever um artigo tentando prefetizar que o PT estaria fora do embate em São Paulo. Ledo engano.

A candidatura de Alexandre Padilha é muito forte e, se o ex ministro para o sempre duvidoso Datafolha, hoje, teria 3% das intenções de votos, seria bom lembrar de uma situação similar de 2012, que é a prova concreta de que as pesquisas duvidosas sempre acabam desmascaradas.

Em 2012 na eleição para Prefeito de Campinas o IBOPE divulgou pesquisa no dia 20 de Julho onde o candidato do PT, o Professor Márcio Pochmann, aparecia com apenas 1% de intenções de votos diante de 17% do então Prefeito Pedro Serafim e 43% de Jonas Donizette. No dia 31 de Agosto de 2012 o mesmo IBOPE divulgou pesquisa mostrando Jonas com 50%, Pedro Serafim com 12% e Márcio Pochmann com 8%. Em outra pesquisa do IBOPE no dia 20 de Setembro de 2012, Jonas tinha 42%, Marcio Pochmann já era o segundo com 18% e Pedro Serafim tinha 15%. No dia 6 de Outubro, véspera da eleição, pelo mesmo IBOPE, Jonas mantinha 42%, Márcio crescia para 19% e Pedro também mantinha 15%. O resultado final da eleição mostrou Jonas com 47,6%, Márcio Pochmann com 28,56% (quase 30%) e Pedro Serafim com 18,47% dos votos válidos no primeiro turno.

Observem que Márcio Pochmann, de acordo com o duvidoso IBOPE, saiu de 1% na metade de Julho de 2012 para quase 30% de votos válidos em praticamente dois meses e meio de campanha eleitoral, portanto é o caso de se perguntar, em que se baseiam as análises que dão conta da inviabilidade da candidatura de Alexandre Padilha ao Governo de São Paulo hoje? Resposta, em nada, não tem fundamento, são meros exercícios de sofisma para iludir e enganar a opinião pública, aliás, como tem sido a prática da mídia conservadora que apóia o PSDB e seus aliados desde os anos noventa do século passado.

Como ocorreu com Márcio Pochmann em Campinas em 2012, assim que começar a propaganda eleitoral na televisão e no rádio, Alexandre Padilha vai subir nas pesquisas eleitorais e certamente estará em um segundo turno em São Paulo porque a verdade vai prevalecer e se sobrepor a mentira. Quem viver verá...


Flávio Luiz Sartori