segunda-feira, 3 de outubro de 2011

A HISTÓRIA MOSTRA QUE TIRANIA GERA VINGANÇA QUE ACABA SEMPRE EM TRAIÇÃO: COMO UM AMBICIOSO REI BÁRBARO LOMBARDO DO SÉCULO VI, ALBOÍNO, LEVOU A TIRANIA AO EXTREMO E MORREU VÍTIMA DA VINGANÇA DE SUA ESPOSA E COMO ELA VEIO SER TAMBÉM VÍTIMA DE SUA PRÓPRIA TRAIÇÃO.

Desenho que reproduz a morte de Alboíno.

Em 553 DC, dez mil guerreiros bárbaros lombardos a serviço do general Narses do Império Bizantino invadiram o norte da Itália em nome do Imperador Bizantino Justiniano. A violência utilizada pelos lombardos, que incendiavam tudo que encontravam e violentavam todas mulheres, inclusive as que se refugiavam nas igrejas chocou os bizantinos que acabaram por abrir mão da presença deles na tropa invasora. Infelizmente para os italianos em um futuro não muito distante, mesmo tendo ido embora, os lombardos tinham tomado gosto pelas terras luxuriantes da Itália e jamais esqueceriam delas.


Os lombardo foram levados para uma nova terra ao longo do Rio Danúbio no leste europeu, ali logo suas relações com seus vizinhos gépidas (outro povo bárbaro) se deterioraram, nesse cenário se destaca um rei guerreiro, Alboíno, que prepara os lombardos para a guerra. 


Em 562 com a invasão de outro povo bárbaro, vindo do leste, os ávaros, Alboino aproveita a oportunidade para buscar uma aliança com eles para atacar os gépidas. O que acontece em 567, quando os gépidas são facilmente derrotados pelo lombardo Alboino. O rei gépida Cunimundo foi derrotado e assassinado, sua cabeça foi cortada e o crânio transformado em uma taça para Alboíno, isso era uma prática comum entre os bárbaros na época. Alboino fez mais ainda, se casou com Rosamunda, filha de Cunimundo.


Em 568 os lombardos que não tinham esquecido a Itália invadiram a península pelo norte,  o que fizeram com a ajuda de outros povos bárbaros. Quando os lombardos chegam as planices do norte da Itália encontram uma realidade de situação de devastação pelas guerras e epidemias. Em 573 os lombardos tomam a cidade de Pávia e lá instalam sua capital, de onde Alboíno passa a reinar. 


O Papa João implorou a proteção do Império Bizantino que não pôde fazer nada militarmente, mas os bizantinos não tinham desistido, planejaram derrotar Alboino com traições e intrigas e o instrumento para derrotar Aboíno estava em sua própria corte, a Rainha Rosamunda.


Em um banquete na corte de Alboino, o rei lombardo obrigou Rosamunda a beber vinho na taça feita com o crânio do pai dela, Cunimundo. Depois de cinco anos de humilhação Rosamunda ansiava por vingança, para  isso convenceu seu amante Helênicus a ajuda-la. Rosamunda amarrou a espada de Alboíno de forma que ele não pode usar a arma e quando Helênicos chegou ficou fácil para ele assassinar o rei lombardo. Anos tinham se passado mas Rosamunda conseguiu fazer um "belo trabalho". Como os seguidores de Alboíno demoraram horas para descobrir o crime, Rosamunda e seu amante puderam fugir tranquilamente e ainda levaram parte da fortuna de Alboíno. 


Em seguida Rosamunda fugiu com Helenicus para Ravena e foi recebida pelo Governador Bizantino Longino, nesse contesto Rosamunda tinha se transformado em uma peça chave, principalmente porque trouxe com ela parte da fortuna dos lombardos. 


Com a intenção de fortalecer o Império Bizantino na Itália Longino propõe se casar com Rosamunda, mas tinha uma pedra no caminho o amante Helênicus que não tinha mais utilidade para a rainha. Dessa forma ela, ansiosa para agradar Longino preparou o envenenamento de seu amante, aliás, o envenenamento ja foi  uma forma de vingar e matar muito comum, utilizada muito pelas mulheres, até mesmo como recurso de defesa e a história mostra isso.


Mas, Helênicus conhecia muito bem Rosamunda, quando ela serviu para ele a bebida com veneno ele a obrigou beber a mesma bebida e depois ele mesmo bebeu o veneno e os dois amantes assassinos morreram juntos.  


Dessa forma a rainha ultrajada que foi forçada a sobreviver em meio a violência de um reino bárbaro se transformou em uma mulher fria e também assassina e o amante oportunista também se transformou de vingador em assassino da mesma pessoa que ele ajudou a fazer uma vingança.


Mesmo hoje todo cuidado é pouco, o correto mesmo é não ter inimigos potenciais em nenhum lugar, o perdão é sempre a nossa melhor virtude.


DIRETO DO CANAL HISTORY, 82 NA NET.


Flávio