domingo, 12 de dezembro de 2010

REPORTAGEM DO “ZERO HORA” SOBRE PROFESSORES QUE COBRAM PARA FAZER TRABALHOS ESCOLARES DE ALUNOS: A MAIOR CULPA É DOS PAIS DESSES ALUNOS.

Depois de um tempo para descansar a cabeça e repensar o futuro do blog, que repito veio para ficar de uma vez, pelo menos enquanto eu existir e puder postar textos, fotos e vídeos, estou de volta. Neste tempo em que estive praticamente sem postar textos refleti sobre os rumos do blog no pós-eleição da Presidenta Dilma.


Diariamente existem milhares de assuntos pelo mundo afora, que precisam ser debatidos o tempo todo e a Internet permitiu a nós cidadãos comuns a possibilidade de interagirmos entre nós e também com a mídia institucional e isso para mim é demais é fantástico.

Voltando a participar do debate diário do dia a dia, está manhã eu estava pensando no que escrever quando deparei na web com um assunto que pode parecer não importante, mas que se pararmos para pensar com calma e analisarmos com olhar crítico do que ele representa para o futuro da educação e do conceito de ética que planejamos para nossos filhos será impossível aceitar passivamente, pelo menos partindo do principio de que nossa obrigação como pais é a de educar nossos filhos com o objetivo de que eles se tornem cidadãos honestos e éticos, no caso o assunto foi uma reportagem do jornal gaúcho “Zero Hora” sobre pais que pagam professores para fazerem o trabalho escolar de seus filhos para que eles não percam o ano letivo com notas baixas.

A reportagem:

Reportagem encomendou e comprou de dois professores da Capital (Porto Alegre) trabalhos de matemática



Gustavo Azevedo
gustavo.azevedo@zerohora.com.br


Por R$ 40, R$ 60, o ano letivo de um aluno dos ensinos Fundamental ou Médio pode estar garantido. Esses são alguns dos preços que pais estão pagando a professores de aulas particulares para executarem os trabalhos escolares dos filhos e, assim, engordar a nota final dos filhos, obtendo aprovação.

Zero Hora comprovou essa realidade que ajuda a desfigurar ainda mais a já precária educação brasileira.


A reportagem encomendou e comprou de dois professores da Capital trabalhos de matemática que, hipoteticamente, ajudariam a passar de ano um adolescente de 15 anos. Acompanhou também a tentativa de uma mãe para resolver o problema do filho, que arrisca rodar de ano, novamente, numa escola de Porto Alegre.

A reportagem do Jornal Zero Hora tem inclusive um vídeo que pode ser acessado no link abaixo:

http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1§ion=Geral&newsID=a3139404.xml

Longe de querer julgar os professores que fazem isto, digo que os principais e primeiros culpados dessa situação são, na realidade os pais dos alunos, que por incontáveis motivos devem ter falhado no acompanhamento de seus filhos durante o ano letivo e depois, quando no final do ano se deparam com o problema simplesmente correm atrás do prejuízo “contratando um professor” para escrever um trabalho com o intuito de “salvar a pele do filho” e no final das contas tudo continua como antes sem maiores problemas a espera do próximo ano onde tudo tende a se repetir sem maiores problemas.

Quando escrevi que não pretendo julgar meus colegas professores é por que sei como é injusta situação salarial da maioria dos professores brasileiros e o quanto é difícil, na maioria das vezes, para eles cumprirem com seus compromissos, ainda mais levando em consideração que temos nossas famílias, com esposas e filhos dentre outros e que no final do ano nossos gastos crescem e não temos saída, um ganho extra sempre ajuda.

No entanto, como pai, digo que não faria um trabalho escolar para ganhar uma grana extra e também não contrataria um professor para escrever um trabalho escolar para minha filha se ela estivesse para perder ano por falta de nota. Na condição de quem já deu aulas para ganhar a vida, me recuso terminantemente crucificar os professores da reportagem do “Zero Hora”, colocar eles como vilões seria pura demagogia.

Nesta mesma manhã fui cobrado por minha esposa pelo fato de não dar a devida atenção para minha filha de cinco anos, obviamente que ela tem razão, porque no nosso dia a dia na medida em que nossos filhos vão crescendo a tendência é que nos afastemos deles absorvidos pelo trabalho e outras atividades, isso é um erro terrível, temos que estar presentes com nossos filhos o máximo que pudermos, acompanhar o dia a dia deles conversando sobre o que acontece na escola e interagir com eles sobre o que eles aprendem, procurar ajudar eles e se for necessário contratar um professor, que seja para aulas de reforço para nossos filhos.


Flávio Luiz Sartori – flavioluiz.sartori@gmail.com