quinta-feira, 4 de março de 2010

NÃO FAÇO NADA SEM MÚSICA, ADORO BOÇA NOVA: HOMENAGEM A JOHNNY ALF E SEU MAIOR SUCESSO "EU E A BRISA"

Johnny Alf foi um dos maiores interpretes e fundador da Bossa Nova. Sua morte hoje aos 80 anos deixa um vazio na música mundial, mas ele ja é eterno...



Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com

segunda-feira, 1 de março de 2010

PESQUISA DATAFOLHA DEMONSTRA QUE O ARCO DE POSSIBILIDADES PARA A OPOSIÇÃO ESTA SE ESTREITANDO: CHAPA SERRA/AÉCIO PODE NÃO SER A SOLUÇÃO TÃO SONHADA


Apesar da própria Folha ter tentado esconder a Pesquisa divulgada domingo pelo Datafolha tem como principal resultado o fato de que a Ministra Dilma Roussef com 28% de intenções de votos espontâneos , candidata do Presidente Lula, já esta tecnicamente empatada com o Governador de São Paulo José Serra com 32% de intenções de votos espontâneos.

A própria Folha traz análise indicando que nas próximas pesquisas Dilma deverá passar Serra e assumir a liderança. Diante desta realidade o arco das possibilidades está cada vez menor para a oposição, principalmente depois do escândalo do DEM em Brasília.

Nesse sentido, em um exercício de análise, as possibilidades da oposição, hoje, seriam praticamente três; um reviravolta na conjuntura da economia mundial com o retorno da crise com conseqüências graves para o Brasil, principalmente em relação ao emprego nos próximos seis meses , o surgimento de um escândalo de graves conseqüências em setores do governo muito próximos ao Presidente Lula e a tão falada e sonhada aliança de José Serra com o Governador de Minas Aécio Neves aceitando ser vice na chapa da oposição liderada pelos tucanos.

Quanto a crise, nessas alturas do campeonato parece muito difícil que ela realmente aconteça, em relação aos escândalos, eles podem até aparecer insuflados pelo PIG, porem a capacidade do PIG de transformar eles em fatos de peso na realidade política brasileira é cada vez menor e o Governo Lula já está vacinado. Restaria então a tão desejada chapa dos sonhos com Jose Serra candidato a Presidente e Aécio a vice, só que esta faltando uma coisa fundamental neste desejo oposicionista, falta perguntar ao eleitor, principalmente de Minas Gerais, que tem votado em Lula para Presidente e Aécio para Governador nas duas últimas eleições de 2002 e 2006, que tipo de rumo ele realmente irá tomar.

Tomando como base o fato de que praticamente todas pesquisas de opinião demonstram que a avaliação de Ótimo e Bom é praticamente a mesma, um pouco acima dos 70%, tanto para o Presidente Lula quanto para o Governador de Aécio Neves no Estado de Minas Gerais, fica difícil acreditar cegamente que a chapa com Serra e Aécio de vice teria plena vantagem sobre a candidatura Dilma apoiada pelo Presidente Lula em Minas pelo simples fato de que os dois, Governador e Presidente da Republica, tem popularidade semelhante no estado. Além disso, o debate da sucessão presidencial, principalmente levando em conta que existe de fato um clima conjuntural na sociedade brasileira que favorece o caráter plebiscitário da eleição presidencial, tende a ter características próprias diante do eleitorado brasileiro e também de Minas Gerais.

Conclusão, acho precipitadas estas análises que colocam a figura de Aécio Neves como candidato a vice de Jose Serra como um fator que poderá reequilibrar a corrida presidencial. Parece mais uma tentativa desesperada da oposição diante de um quadro conjuntural cada vez mais favorável ao Governo Lula. Sem querer desmerecer a popularidade de Aécio Minas, o fato é que o eleitor brasileiro se comporta, a cada eleição que passa, de forma mais racional e pragmática e certamente saberá, não só em todo Brasil, mas em Minas também, diferenciar o caráter das disputas, provavelmente votando de uma forma a nível estadual e de outra forma à nível federal. Quem viver verá.

Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com