quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

FELIZ NATAL PARA TODOS BLOGUEIROS DO BRASIL QUE LUTAM PELA VERDADE

São os votos de Flavio Luiz Sartori e sua família para todos que levantaram a bandeira verdade.
Nossos blogs, nossa lula.

Em tempo de Natal, de crianças e de Brasil mais feliz, uma canção de Natal Brasileira
gravada originalmente pelo cantor João Dias em 1953, "O velhinho", um clássico natalino da MPB. A canção, composta por Otávio Filho também regravada por vários artistas, como a cantora Simone e Dominguinhos. Curtam ela e FELIZ NATAL.


quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

ANTES DE IR PARA O DESCANSO MERECIDO DA NOITE UM POUCO DE BOA MÚSICA E NOSTALGIA DOS NOVOS BAIANOS



Demais, boa noite gente......

Flávio Luiz Sartori

PREVISÕES DE MONTENEGRO DO IBOPE SOBRE O FUTURO DA CANDIDATURA DILMA ROUSSEF A PRESIDÊNCIA FEITAS EM AGOSTO DESTE ANO ESTAVAM ERRADAS

Recentemente, em Agosto deste ano, Carlos Alberto Montenegro, principal diretor do IBOPE saiu pela mídia do Brasil, principalmente o PIG, dizendo que o Presidente Lula não conseguiria transferir sua popularidade, hoje na casa dos 80% para sua candidata Dilma Roussef. Para Montenegro associar Dilma Roussef como mãe do PAC não era uma boa sacada, o ideal seria dizer que ela era filha do Lula.

Para o diretor do IBOPE Dilma atingiria seu teto nos 20% e não teria condições de subir mais, faltaria para Dilma o carisma do Presidente Lula, que na opinião emitida por Montenegro seria intransferível.

Dentre as teorias usadas por Montenegro, a mais estranha foi a de que a transferência de prestigio e de votos só acontece no eleitorado mais humilde e que esse fenômeno acontecia no Brasil quando não existia a reeleição, quando os eleitores achavam que quatro anos era pouco e queriam mais e por isso mesmo votavam em quem o governante bem avaliado indicava esperando mais quatro anos de sucesso.

Pois bem, nada como um dia atrás do outro para a verdade dos fatos comprovar que a analise de Montenegro era tendenciosa e também calcada em preconceito contra a população mais pobre do Brasil que esta em plena ascensão social, aliás, como comprovam os dados sobre a evolução econômica do Brasil nos últimos anos.

Montenegro se precipitou na ânsia de aproveitar o período em que a candidatura da Ministra Dilma Roussef a presidência estava sendo apresentada à população brasileira, ao tentar desqualificar Dilma e o prestígio do Presidente Lula perante a opinião pública do eleitorado brasileiro.

Os fatos comprovam que a forçada de barra de Montenegro não teve nenhuma influência na dinâmica de crescimento da candidatura Dilma Roussef, tanto é que o próprio Datafolha, que todos sabemos também é do PIG teve que admitir que Dilma Rousse tem potencial para crescer e até alcançar o próprio Serra, isto dito por Mauro Paulino, diretor geral do Datafolha.

O Datafolha também foi obrigado, diante da evidência dos fatos, a admitir que foi a capacidade de transferir votos do Presidente Lula que levou Dilma Roussef aos 23% de intenções de votos estimulados.

Isso sem contar o que já foi analisado aqui, que Dilma Roussef já é a primeira colocada nas intenções de votos espontâneas com 10%, quando o entrevistado é esclarecido que o Presidente Lula não poderá mais ser candidato.

O IBOPE cumpre o triste papel de sempre tentar manipular a opinião pública contra o interesse da maioria em favor da minoria que esteve no poder no Brasil até 2002.

A empresa cujo nome já chegou a ser associado a coisas bem aceitas pela opinião pública, na realidade sempre foi instrumento a favor dos poderosos, aliás, sempre associada à Rede Globo de Televisão.

Da mesma maneira em que o Sr. Montenegro tentou usar o pretenso prestígio de sua empresa, o IBOPE, para tentar influenciar nos destinos políticos do Brasil, nós profissionais de mídia e pesquisa, empresários, trabalhadores enfim a sociedade civil atuante temos por obrigação, cada vez mais, lançar nosso olhar de desconfiança sobre tudo que vier do IBOPE.

Isso deverá acontecer não por uma estreiteza política ou teimosia nossa, mas devido à conduta profissional do próprio Montenegro.


Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

“NOVELA LITERÁRIA” NO BLOG: “A HISTÓRIA UNIVERSAL DA INFÂMIA” DE JORGE LUIS BORGES - V CONTO: O PROVEDOR DE INIQÜIDADES MONK EASTMAN

Disputa entre bandos armados por controle de regiões, quadrilhas, chefes de crime, o estado tentando retomar o controle, políticos associados ao crime...

Se alguém pensou que estamos falando do Brasil contemporâneo errou...Estamos falando de Nova Iorque, EUA, na virada do século XIX para o século XX, na visão de Jorge Luis Borges.....


OS DESTA AMÉRICA

Bem perfilados num fundo de paredes celestes ou de céu alto, dois compadritos, empertigados em séria roupa negra, dançam sobre sapatos de mulher uma dança gravíssima, que é a dos idênticos punhais, até que de uma orelha salte um cravo, porque o punhal penetrou em um homem, que encerra, com sua morte horizontal, a dança sem música. Resignado, o outro ajeita o chapéu e consagra a velhice à narração desse duelo tão limpo. Esta é a história detalhada e total de nossa má vida. A dos homens de briga de Nova York é mais vertiginosa e mais desastrada.

OS DA OUTRA

A história das quadrilhas de Nova York (revelada em 1928 por Herbert Asbury em um circunspecto volume de quatrocentas páginas em oitavo) possui a confusão e crueldade das cosmogonias bárbaras e muito de sua inépcia gigantesca: porões de antigas cervejarias habilitados para cortiços de negros, uma raquítica Nova York de três pavimentos; bandos de foragidos como os Anjos do Pântano (Swamp Angels) que perambulavam entre labirintos de cloacas; bandos de foragidos como os Daybreak Boys (Rapazes da Madrugada) que recrutavam assassinos precoces de dez e onze anos; gigantes solitários e descarados como os Ferozes Insolentes (Plug Uglies) que procuravam o inverossímil riso do próximo com uma firme cartola peluda e as vastas fraldas da camisa ondeadas pelo vento do subúrbio, mas com um garrote na direita e um revólver profundo; bandos de foragidos como os Coelhos Mortos (Dead Rabbits) que entravam na briga com a insígnia de um coelho morto num pau; homens como Johnny Dolan, o Dândi, famoso pelo topete azeitado sobre a fronte, pelas bengalas com cabeça de macaco e pelo fino instrumento de cobre que costumava calçar no polegar para esvaziar os olhos dos adversários; homens como Kit Burns, capaz de decapitar com uma única mordida um rato vivo; homens como Blind Danny Lyons, rapaz louro de imensos olhos mortos, rufião de três rameiras que circulavam com orgulho por ele, filas de casas de luz encarnadas como as dirigidas por sete irmãs de New England, que destinavam os lucros da noite de Natal à caridade; rinhas de ratos famélicos e de cães; casas de jogo chinesas; mulheres como a várias vezes viúva Red Norah, amada e ostentada por todos os homens que dirigiam o bando dos Gophers; mulheres como Lizzie the Dove, que pôs luto quando executaram Danny Lyons e morreu degolada por Gentle Maggie, que discutiu com ela a antiga paixão do homem morto e cego; motins, como o de uma semana selvagem de 1863, que incendiaram cem edifícios e por pouco não se assenhorearam da cidade; combates de rua nos quais o homem se perdia como no mar porque o pisoteavam até a morte; ladrões e envenenadores de cavalos como Yoske Nigger – tecem essa caótica história. Seu herói mais famoso é Edward Delaney, apelidado William Delaney, apelidado Joseph Marvin, apelidado Joseph Morris, também conhecido por Monk Eastman, chefe de mil e duzentos homens.

O HERÓI

Esses disfarces graduais (penosos como um baile de máscaras em que não se sabe bem quem é quem) omitem seu nome verdadeiro – se é que nos atrevemos a pensar que existe tal coisa no mundo. O certo é que no Registro Civil de Williamsburg, Brooklyn, o nome é Edward Ostermann, americanizado como Eastman depois. Coisa estranha, esse malfeitor tormentoso era hebreu. Filho de um dono de restaurante dos que anunciam Kosher, onde homens de rabínicas barbas podem assimilar sem perigo a carne dessangrada, três vezes limpa, de reses degoladas com retidão. Aos dezenove anos, por volta de 1892, abriu, com auxílio de seu pai, uma casa de pássaros. Perscrutar a vida dos animais, contemplar suas pequenas decisões e sua inescrutável inocência foi uma paixão que o acompanhou até o fim. Em ulteriores épocas de esplendor, quando recusava com desdém os charutos de folha dos sardentos sachems de Tammany ou visitava os melhores prostíbulos em um coche, antecipação de automóvel, que parecia o filho natural de uma gôndola, abriu um segundo e falso comércio, hospedando cem gatos finos e mais de quatrocentas pombas – que não estavam à venda para ninguém. Gostava deles individualmente e costumava passear a pé em seu distrito com um gato feliz no braço, e outros que o seguiam com ambição.

Ele era uma ruína monumental. O pescoço curto, como de touro, o peito inexpugnável, os braços pelejadores e compridos, o nariz quebrado, a cara, ainda que historiada com cicatrizes, menos importante que o corpo, as pernas arqueadas como de ginete ou de marinheiro. Podia prescindir de camisa como também de paletó, não de um chapéu de grandes abas sobre a cabeça ciclópica. Os homens cuidam de sua memória. Fisicamente, o pistoleiro convencional dos filmes é um arremedo seu, não do epiceno e balofo Capone. De Wolheim, dizem que o empregaram em Hollywood porque seus traços aludiam diretamente aos do deplorado Monk Eastman... Este costumava percorrer seu império foragido com uma pomba de plumagem azul no ombro, igual a um touro com um bem-te-vi no dorso.

Por volta de 1894, eram abundantes os salões de dança populares na cidade de Nova York. Eastman foi o encarregado de um deles, para manter a ordem. A lenda conta que o empresário não o quis atender e que Monk demonstrou sua capacidade demolindo com fragor o par de gigantes que detinha o emprego. Exerceu-o até 1899, temido e só.

Para cada pendenciador que serenava, fazia com a faca uma marca na maça brutal. Certa noite, uma calva resplandecente que reclinava sobre um bock de cerveja chamou-lhe a atenção, e a fez desmaiar com uma pancada. –"Faltava-me uma marca para cinqüenta!", exclamou depois.

O MANDO

Desde 1899, Eastman não era apenas famoso. Era o chefe eleitoral de uma zona importante, e cobrava fortes subsídios das casas de luz encarnada, das casas de jogo clandestinas, das mulheres de calçada, e dos ladrões desse feudo sórdido. Os comitês consultavam-no para organizar diretórios, e os particulares também. Eis aqui seus honorários: 15 dólares uma orelha arrancada, 19 uma perna quebrada, 25 um balaço na perna, 1OO o negócio completo. As vezes, para não perder o costume, Eastman executava pessoalmente uma encomenda.

Certa questão de limites (sutil e mal-humorada como as outras que posterga o direito internacional) colocou-o diante de Paul Kelly, famoso capitão de outro bando. Balaços e entreveres das patrulhas haviam determinado uma fronteira. Eastman atravessou-a num amanhecer e acometeram-no cinco homens. Com aqueles braços vertiginosos de macaco e com o cacetete fez rodar três, mas lhe acertaram duas balas no abdômen e abandonaram-no como se estivesse morto. Eastman segurou a ferida cálida com o polegar e o indicador e caminhou com andar bêbado até o hospital. A vida, a febre alta e a morte disputaram-no várias semanas, mas seus lábios não se rebaixaram a delatar pessoa alguma. Quando saiu, a guerra era um fato e floresceu em contínuos tiroteios até o dia dezenove de agosto de novecentos e três.

A BATALHA DE RIVINGTON

Uns cem heróis vagamente diferentes das fotografias que estarão desbotando nos prontuários, uns cem heróis saturados de fumaça de tabaco e de álcool, uns cem heróis de palheta com faixa colorida, uns cem heróis afetados, este mais do que aquele, por doenças vergonhosas, cáries, males das vias respiratórias ou dos rins, uns cem heróis tão insignificantes ou esplêndidos quanto os de Tróia ou de Junín deram-se a esse denegrido feito de armas, à sombra dos arcos do Elevated. A causa foi o tributo exigido pelos pistoleiros de Kelly ao empresário de uma casa de jogo, compadre de Monk Eastman. Um dos pistoleiros foi morto, e o tiroteio conseguinte aumentou a batalha de inúmeros revólveres. Protegidos pelos altos pilares, homens de queixo raspado disparavam silenciosos e eram o centro de um espavorido horizonte de automóveis de aluguel tripulados por impacientes reforços, com ameaçadora artilharia Colt à mão. O que teriam sentido os protagonistas dessa batalha? Primeiro (creio) a brutal convicção de que o estrépito insensato de cem revólveres iria aniquilá-los de imediato; segundo (creio) a não menos errônea certeza de que, se a descarga inicial não os derrubara, eram invulneráveis. O certo é que pelejaram com furor, protegidos pelas estruturas metálicas e pela noite. Duas vezes interveio a polícia e duas foi rechaçada. Ao primeiro vislumbre do amanhecer, o combate morreu, como se fora obsceno ou espectral. Sob os grandes arcos de engenharia ficaram sete feridos graves, quatro cadáveres e uma pomba morta.

OS RANGIDOS

Os políticos paroquiais, a cujo serviço estava Monk Eastman, sempre desmentiram publicamente que houvesse tais bandos ou explicavam que se tratavam de meras sociedades recreativas. A indiscreta batalha de Rivington alarmou-os. Tiveram entrevistas com os dois capitães para intimá-los à necessidade de uma trégua. Kelly (bom sabedor de que os políticos eram mais aptos que todos os revólveres Colt para entorpecer a ação policial) disse imediatamente que sim; Eastman (com a soberba de seu grande corpo de bruto) ansiava por mais detonações e mais refregas. Começou por recusar e tiveram de ameaçá-lo com a prisão. Afinal, os dois ilustres malfeitores conferenciaram num bar, cada um com um cigarro de palha na boca, a mão no revólver, e sua nuvem vigilante de pistoleiros ao redor. Chegaram a uma decisão muito americana: confiar a uma luta de boxe a disputa. Kelly era boxeador habilíssimo. O duelo realizou-se num galpão e foi excêntrico. Cento e quarenta espectadores viram-no entre sujeitos de chapéus torcidos e mulheres de frágil penteado monumental. Durou duas horas e terminou por completa extenuação. Na outra semana recomeçaram os tiroteios. Monk foi preso pela enésima vez. Os protetores se desinteressaram dele com alívio, o juiz vaticinou-lhe, com toda aparência de verdade, dez anos de cárcere.

EASTMAN CONTRA A ALEMANHA

Quando o ainda perplexo Monk saiu de Sing-Sing, os mil e duzentos foragidos de seu comando estavam debandados. Não soube juntá-los outra vez, e se resignou a operar por conta própria. No dia oito de setembro de 1917, promoveu uma desordem na via pública. Dia nove, resolveu participar de outra desordem, e se alistou em um Regimento de Infantaria.

Sabemos de vários aspectos de sua campanha. Sabemos que desaprovou com fervor a captura de prisioneiros e que certa vez (apenas com a culatra do fuzil) impediu essa prática deplorável. Sabemos que conseguiu fugir do hospital para voltar às trincheiras. Sabemos que se distinguiu nos combates próximos de Montfaucon. Sabemos que depois opinou que muitos bailaricos populares de Bowery eram mais terríveis que a guerra européia.

O MISTERIOSO, LÓGICO FIM

No dia vinte e cinco de dezembro de 192O, o corpo de Monk Eastman amanheceu em uma das ruas centrais de Nova York. Havia recebido cinco balaços. Desconhecedor feliz da morte, um gato dos mais ordinários rondava-o com certa perplexidade.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

FOLHA NÃO PUBLICOU QUE DILMA ROUSSF JÁ É A PRIMEIRA NA CORRIDADA PRESIDENCIAL NAS RESPOSTAS ESPONTÂNEAS DA PESQUISA DIVULGADA NO ÚLTIMO FIM DE SEMANA

Depois de tanto criticar e também apontar os erros metodológicos das principais empresas de pesquisa do Brasil que divulgam resultados sobre a intenção de votos para a eleição de 2010, finalmente meus apelos, ao que tudo indica tocaram em uma dessas empresas.

No caso estou me referindo ao Datafolha que na pesquisa anterior realizada em Agosto de 2009 já tinha entrevistado 4.100 pessoas, praticamente o dobro das outras empresas que insistem em 2000 entrevistas. Agora em Dezembro de 2009 o Datafolha ousou mais entrevistando 11.429 pessoas em todo Brasil.

Com isso foi possível perceber que a posição dos candidatos e Presidência da República esta mais consolidada com a lógica da inserção de mídia de cada um deles de acordo com os fatos políticos dos últimos meses.

Se o Datafolha, muito provavelmente, em função de sua posição no mercado de pesquisas, que abrange também o importante segmento empresarial corrigiu a amostragem na busca de resultado mais seguros, por outro lado, a divulgação de todos resultados da pesquisa ficou a desejar, importantes números sobre a corrida presidencial ficaram de fora do noticiário do Jornal Folha de São Paulo.

Porém, antes de prosseguir, importante esclarecer que estas analises só são possíveis quando conseguimos ler os relatórios das pesquisas que ficam disponíveis para dowloads nas páginas das empresas que publicam as pesquisas. A única empresa que não publica os tais dos relatórios é a Vox Populi.

O primeiro resultado importante que não foi noticiado foi o da sondagem espontânea para Presidência da República, ou seja, os números reais que cada candidato tem hoje.

Quando perguntados na última pesquisa do Datafolha em quem pretendem votar nas eleições presidenciais de 2010, os entrevistados responderam espontaneamente, sem estímulo, que votariam da seguinte forma: 20% no Presidente Lula, 8% em José Serra, 8% em Dilma Roussef, 3% em Aécio Neves, 3% no candidato do Presidente Lula, 1% no Ciro Gomes, 1% na Marina Silva, 1% no candidato do PT, 1% em Geraldo Alckimin, 3% citaram outros candidatos, 5% votariam branco ou nulo e 47% que responderam que ainda não sabem em quem votar.

Como Presidente Lula foi citado espontaneamente por 20% dos entrevistados e não poderá mais ser candidato, a pesquisa esclareceu este fato para os entrevistados e repetiu a pergunta.

O resultado, agora sem a presença do Presidente Lula, foi o seguinte: Dilma Roussef 10%, Candidato do Presidente Lula 8%, José Serra 8%, Candidato do PT 1%, Aécio Neves 1%, Ciro Gomes 1%, Geraldo Alckimin 1%, Marina Silva 0%, Outros candidatos 7%, Branco e Nulo 5% e Não sabem em quem votar 57%.

Conclusão

Na primeira possibilidade, com o Presidente Lula podendo ser citado, Dilma Roussef já empata com José Serra em 8% na escolha espontânea dos entrevistados. Se somarmos os 20% do Presidente Lula com os 8% da Dilma Roussef mais 3% que votariam no candidato do Presidente Lula e 1% no candidato do PT temos um total 32% de votos espontâneos potenciais para Dilma Roussef.

Na segunda possibilidade na pergunta sobre as intenções de votos espontâneos para Presidência da República sem o Presidente Lula, a Ministra Dilma Roussef já é a primeira colocada com 10% de intenções de votos só dela. Se somarmos esses 10% que ela tem com os 8% que responderam espontaneamente que irão votar no candidato do Presidente Lula mais 1% que declararam que vão votar no candidato do PT temos 19% de votos potenciais para Dilma Roussef também nessa possibilidade.

A pesquisa mostrou que nas respostas a sondagem estimulada, Jose Serra oscila de 37% a 40% de intenção de votos dentre as possibilidades colocadas e Dilma Roussef oscila de 23% a 31%.

Se compararmos os números espontâneos já citados nesta análise com os números das respostas estimuladas, facilmente perceberemos que os números da candidata Dilma Roussef são muito mais consistentes do que os números das respostas estimuladas de intenções de votos no candidato José Serra, principalmente, a partir de uma análise que leve em consideração a parcela de respostas com tendência a definitivas e consolidadas dos entrevistados.

Isso é matemática pura, ou melhor, são fato e, contra fatos os argumentos ficam difíceis, ou melhor, impossíveis.

Se você, meu caro internalta pretende conferir os números apresentados aqui diretamente no relatório do Datafolha é só acessar:

http://datafolha.folha.uol.com.br/folha/datafolha/tabs/intvoto_pres_21122009_tb4.pdf

Estou preparando mais analises sobre esta pesquisa e blogarei logo.

Esclarecimento: prometi um especial sobre a Mata Santa Genebra, uma das últimas reservas com as características da Mata Atlântica localizada em uma área urbana no Brasil em Campinas, para o último fim de semana que Passou. Porém fui aconselhado por um amigo, que trabalhou nessa mata inclusive comigo mesmo, a ter permissão bem fundamentada sobre o que publicar, acatei e adiei blogar o texto, mas prometo que farei em breve.


Flávio Luiz Sartori - flavioluiz.sartori@gmail.com