sexta-feira, 21 de agosto de 2009

PESQUISAS SOBRE RESTRIÇÃO AOS FRETADOS E AVALIAÇAO DO MANDATO DO PREFEITO GILBERTO KASSAB NA CIDADE DE SÃO PAULO

As diferenças entre as cotas de entrevistados por escolaridade usadas pelo Data Folha e as cotas reais do Tribunal Superior Eleitoral


Conforme o prometido através do texto postado anteriormente estou iniciando a serie de analises sobre as pesquisas divulgadas no site do Data Folha desde o ultimo fim de semana, 15 e 16 de Agosto. No caso como são assuntos que se interligam, resolvi fazer a analise das duas pesquisas que tem um tema em comum na cidade de São Paulo: Avaliação dos efeitos das novas regras sobre os fretados na cidade de São Paulo e Avaliação da gestão do Prefeito Gilberto Kassab em São Paulo.

Analisando os números da avaliação do Prefeito se verifica que o Data Folha organizou paralelamente a eles uma outra tabela interessante associando as respostas dos entrevistados sobre a avaliação do Prefeito do Ótimo e Bom, com 48%, Regular com 34% ao Ruim e Péssimo com 17%, com o tipo de transporte que eles utilizam e os números foram os seguintes; só para os 16,2%, que representam 177 entrevistados (no relatório divulgado pelo Jornal Folha de São Paulo são 9% mas na soma dos números das tabelas divulgadas pelo Data Folha são 16,2%) dos 1.092 entrevistados que responderam ser usuários do transporte fretado, com lotação, vans e micro-ônibus: 45% acham a administração do Prefeito Gilberto Kassab Ótima ou Boa, 36% Regular e 18% Ruim e Péssimo, números não muito diferentes e dentro da margem de erro da pesquisa para mais e para menos que foi de 3 pontos segundo relatório sobre metodologia dessa pesquisa divulgado pelo Data Folha. Isso demonstra que, apesar das manifestações e protestos dos usuários desse tipo de transporte, a situação, de acordo com o Data Folha, mudou para uma parcela muito pequena dos eleitores da cidade de São Paulo, provocando uma queda de apenas 3 pontos na avaliação do Ótimo e Bom do prefeito.

Também foi analisada a cota de amostragem da pesquisas por escolaridade e de acordo com os números divulgados nas tabelas do Data Folha as cotas de entrevistas da pesquisa foram: 352 entrevistados (32,4%) que cursaram só ate o Ensino Fundamental, independente de terem concluído ou não ou de ser analisado nas formas antigas, como por exemplo até a oitava série, 522 entrevistados(47,9%) que cursaram até o Ensino Médio (antigos segundo grau e colegial), independente de terem concluído ou não, e finalmente 215 entrevistas (19,7%) com eleitores que chegaram até o ensino superior, também independente de ter concluído ou não.
Sem levar em conta a polêmica que existe entre os que defendem entrevistas por cotas e os que defendem entrevistas por sorteios aleatórios (em breve debateremos sobre isso) na área de pesquisas de opinião, a idéia é demonstrar se as cotas utilizadas pelo Data Folha estão ou não de acordo com a estratificação dos eleitores por escolaridade, no caso da cidade de São Paulo.


Vamos então aos números do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sobre a escolaridade dos eleitores da cidade de São Paulo: 44,8% com nível de conhecimento até o Ensino Fundamental de hoje, independentemente de terem só a primeira série e só saberem ler e escrever, ou de terem concluído até a oitava série, 40,4% chegaram até o ensino médio independente de terem concluído ou não e, 12,4% conseguiram entrar no ensino superior independente de terem terminado ou não. Isso são números reais do site do TSE.

Conclusão, existe sim um número de entrevistas feitos pelo Data Folha com cotas de entrevistados dos ensinos médios e superior acima das cotas dos números reais do TSE como pudemos constatar acima, dessa forma, se existem candidatos e temas que tem aceitação nos setores da sociedade que tem acesso aos ensinos médios e superior, tanto os candidatos quanto os temas serão favorecidos pelas cotas de entrevistas usadas pelo Data Folha. Observem bem que só no ensino fundamental, de 32,4% nas cotas do Data Folha para 44,8% nos números reais do TSE temos uma diferença de 12,4% pontos para menos, que corresponde a um universo de 1.020.120 eleitores do total de 8.226.773 eleitores inscritos que a cidade de São Paulo tinha até Julho de 2009 e que a amostragem de 1092 entrevistas da pesquisa do Data Folha pretendeu usar como representativa do eleitorado da cidade de São Paulo.
Voltando a diferença de 12,4 pontos percentuais, para onde foram? Foram 7,3 pontos percentuais para os 12,4% (a semelhança com a diferença citada é só coincidência) que chegaram ao ensino superior pelos números do TSE e foram transformados em 19,7% da cota dos entrevistados com ensino superior pelo Data Folha, assim mesmo sobram 5,1 pontos percentuais que subtraindo eles dos 47,9% entrevistados que chegaram até o Ensino Médio entrevistados pelo data Folha, produzem como resultado 42,8%, mas como os números to TSE demonstram que existe 40,4% de eleitores que chegaram até o Ensino Médio, logo ainda sobram 2,4 pontos percentuais que na realidade representam 2,47% de eleitores que se declaram analfabetos na cidade de São Paulo pelos números do TSE e que obviamente não entraram nas cotas do Data Folha.
Com a palavra o Data Folha porque aqui os números foram analisadas na frieza da matemática sem paixões.


Flávio Luiz Sartori

O COMPROMISSO DO BLOG

Este blog foi criado para fazer analises isentas de paixões políticas, aqui os números serão analisados de maneira fria e exata, porem como sou humano e imperfeito certamente errarei mas tentarei estar sempre o mais próximo que for possivel da perfeição.

Assim estou pretendendo ser no texto que postarei depois deste, se eu errar me corrijam.

Flavio Luiz Sartori

FIM DE SEMANA E O MOMENTO É DE "CURTIÇÃO" III

Depois de não ter conseguido postar uma música no final de semana passada por pura falta de tempo eis aqui uma das minhas preferidas, Estrada do Sol, em uma .releitura de clássico de Tom Jobim e Dolores Duran por Fernando Janson, Ivan Paschoal, Gilberto Cerantola e Rafael Souza. 2007 .


quinta-feira, 20 de agosto de 2009

VOX POPULI E DATA FOLHA: PESQUISA CONTRADITÓRIAS

Apesar de estar muito atarefado, estou coordenando a pesquisa com os coletores de recicláveis e a organização do banco de dados para cadastrar os mesmos para a Secretaria Municipal de Trabalho e Renda de Campinas, não posso deixar de alimentar o Blog, ainda mais em um momento decisivo como esse as vésperas do prazo para mudança de partidos, que apesar da legislação não estar mais tão permissiva com antes, ainda permite brechas que certamente serão aproveitadas, é o caso da senadora Marina Silva, por exemplo, que esta saindo do PT e indo para o PV.
Nesse momento diversas pesquisa foram divulgadas, principalmente do Data Folha e do Vox Populi, são dois dos mais importantes institutos de pesquisas na historia recente do Brasil, o Data Folha foi criado no fim do Regime Militar,depois da Campanha das Diretas Já nos aos 80, a idéia era ter um uma empresa de pesquisa que produzisse resultados confiáveis depois que o IBOPE ficou praticamente neutro naquele momento. O Vox tem uma história diferente, apareceu na mídia como empresa de pesquisa que monitorava os números para o então candidato a presidência Fernando Collor na primeira eleição presidencial depois do fim da Ditadura Militar em 1989. Depois da eleição e da cassação de Collor, o Vox e Marcos Coimbra (qua já confessei aqui é um dos meus gurus) seu criador, ficaram esquecidos, porem Marcos Coimbra sempre foi um dos melhores e mais competentes profissionais da área, seu resgate definitivo foi no cenário das eleições se deu em 2006 na eleição presidencial.
No Domingo dia 16 de Agosto, aliás, como já informamos neste blog no texto anterior, foram publicados números do Data Folha da corrida presidencial, com Serra com 37% das intenções de voto, seguido pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), e pelo deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE), tecnicamente empatados com respectivos 16 e 15%. Heloísa Helena (PSOL) aparece com 12%, seguida pela senadora Marina Silva (PT-AC), com 3% das intenções de voto. As entrevistas desta pesquisa foram realizadas entre os dias 11 e 13 de Agosto de 2009 com 4.100 pessoas.
No dia 18 de Agosto agora, terça feira, o Jornal da Band, divulgou pesquisa realizada pelo Vox Populi com campo de entrevistas realizado entre os dias 31 de Julho e 4 de Agosto com números relativamente diferentes do Data Folha. Nessa pesquisa com quatro cenários para a disputa presidencial com intenção de votos estimulada temos o seguinte quadro:

Na primeira hipótese Serra teria 30%, Dilma 21%, Ciro 17% e Heloisa Helena 12%.

Na segunda hipótese sem Ciro Serra teria 36%, Dilma 24%, Heloisa Helena 16%.

Na terceira Hipótese com Aécio no lugar de Serra sem Ciro, Dilma teria 25%, Aécio 21% e Heloisa Helena 18%.

Na quarta hipótese com Ciro e Aécio, Dilma teria 21%, Ciro 20%, Aécio 17% e Heloisa helena 12%.

Nas pesquisas o Data Folha entrevistou 4.100 pessoas em todo Brasil e o Vox Populi entrevistou 2.000 pessoas, a diferença nos resultados é significativa. Ontem dia 19 nos sites Vi o Mundo do jornalista Luiz Carlos Azenha e do Jornalista Paulo Henrique Amorim foram feitos questionamentos em relação ao número de entrevistados por área no sentido de que o Data Folha teria entrevistado cotas maiores onde Jose Serra teria maior intenção de votos.
No dia 18 consegui acessar os relatórios da pesquisa do Data Folha com todos temas abordados em nove partes: Avaliação do Congresso Nacional, Avaliação do Presidente do Senado José Sarney, Avaliação do Presidente Lula, Avaliação dos efeitos da crise mundial perante a opinião pública, Avaliação dos efeitos das novas regras sobre os fretados na cidade de São Paulo, Avaliação da gestão do Prefeito Gilberto Kassab em São Paulo, Avaliação dos efeitos da Lei Anti Fumo no Estado de São Paulo, Intenção de Votos para Presidência da Republica e Intenção de votos para o Governo de São Paulo.

Diante da polêmica colocada a função deste Blog, que aliás foi criado para isso mesmo é buscar uma analise dos números comparando as cotas que estão publicadas nos relatórios que estão disponíveis para qualquer cidadão consultar no Site do data Folha com números de cotas de leitores disponíveis no site do TSE e também com números da densidade populacional do Brasil disponíveis no IBGE pelo sistema Estatcart, dessa forma poderei, junto com os que acessam meu Blog, ter uma idéia sobre o questionamento feito ao Data Folha.

Apesar de minhas tarefas diárias vou tentar editar esta analise junto com as analises mais detalhada dos relatórios dos itens pesquisados pelo Data Folha sobre o momento político do Brasil e outros temas até Domingo dia 22 de Agosto de 2009.

Finalmente, gostaria de comentar que a Band e o Vox Populi estão devendo a publicação do relatório completo das pesquisas publicadas, aliás, como fez o Data Folha. Até breve.


Flavio Luiz Sartori

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

AS PESQUISAS ELEITORAIS SÃO PARTE DAS ARTICULAÇÕES POLÍTICAS PARA A ELEIÇÃO PRESIDENCIAL 2010 - Nº 2

No primeiro texto que postei neste blog com o título Pesquisa IBOPE para Governo de São Paulo de 03 de Junho de 2009, postado numa sexta feira, 13 de Julho de 2009, comentei que o IBOPE que realizou aquela pesquisa tinha cometido o erro de não criar uma ficha pizza só com o nome do candidato Ciro Gomes representando o bloco governista em contraposição ao bloco do PSDB, Maluf e outros. Na pesquisa divulgada ontem pelo DataFolha, dentre outra novidades que vamos abordar, esta o fato de que a intenção de votos para o Governo de São apresenta o seguinte quadro dentro das variações propostas:

Sendo candidato do PSDB e aliados Geraldo Alckmin, ex-governador e atual secretário de Desenvolvimento do Estado, ele teria 43% das intenções de voto em cenário com a ex-prefeita da capital paulista Marta Suplicy como candidata petista, que aparece com 16%. Se o páreo for contra o deputado federal Ciro Gomes (PSB), Alckmin teria 46% das intenções e o deputado, 12%. Os resultados foram publicados na edição de hoje do jornal "Folha de S.Paulo".
Em cenário com o governador José Serra candidato pelo PSDB, os desempenhos de Marta e Ciro não são muito diferentes, de acordo com o Datafolha. A petista aparece com 17% das intenções de voto e o parlamentar do PSB, com 12%. O tucano teria, então, 36% e 38% das intenções, respectivamente. O melhor desempenho de Ciro Gomes aparece no levantamento com o prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab (DEM) como candidato ao governo estadual: ele teria 18%. Nesta sondagem, Marta recebeu 20% das intenções de voto.
Na pesquisa com Alckmin e Ciro - nome preferido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para concorrer em São Paulo -, o deputado federal Paulo Maluf, do PP, aparece em terceiro lugar com 11% das intenções de voto, seguido por Soninha (PPS), com 5%. Em cenário com Marta no lugar de Ciro, Maluf teria 11% dos votos, a ex-prefeita Luiza Erundina (PSB) 7% e Soninha, 5%. De acordo com o instituto, a margem de erro é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos.

Como se pode observar na pesquisa do DataFolha mesmo não colocando Ciro como única opção como candidato do bloco oposicionista no Estado de São Paulo, em uma das possibilidades, com Gilberto Kassab candidato, Ciro chega a 18%. Outra observação é a de que, hoje, Alkimin na casa dos 43% a 46%, seria melhor candidato ao Governo de São Paulo que o próprio Serra, hoje na casa dos 36% a 38%. Na pesquisa se constata que na opção da disputa com uma candidatura Gilberto Kassab a Governador, Ciro sobe proporcionalmente mais que Marta, isso mostra que ele penetra mais no eleitorado de centro do que Marta e este é, sem sombra de dúvidas, o fator que leva o Presidente Lula a sonhar com sua candidatura em São Paulo.

Outra constatação importante da pesquisa foi na sondagem para a eleição para presidência com o governador de São Paulo, José Serra (PSDB) sendo o preferido dos eleitores na disputa em 2010, de acordo com pesquisa Datafolha no jornal Folha de S.Paulo publicada no Domingo dia 16 de Agosto. Serra tem 37 por cento das intenções de voto, seguido pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), e pelo deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE), tecnicamente empatados com respectivos 16 e 15%. Heloísa Helena (PSOL) aparece com 12 por cento, seguida pela senadora Marina Silva (PT-AC), com 3 por cento das intenções de voto.Todos esses números estão combinados com os de avaliação do Presidente Lula, publicados na mesma pesquisa onde se constata que ele mantém sua popularidade em alta. Segundo o instituto Datafolha, para 67% dos entrevistados, o governo é ótimo ou bom, variação dentro da margem de erro na comparação com a última pesquisa, feita em maio, quando Lula atingiu 69 por cento de aprovação. O governo do petista é regular na avaliação de 25 por cento dos brasileiros, ante 24 por cento na última pesquisa. Somente para 8 por cento, a administração de Lula é ruim ou péssima, contra 6% verificados no levantamento anterior.


Conclusão, o principal cabo eleitoral do Brasil ainda é o Presidente Lula, não importa os arranjos tentados pela oposição, pelo menos por enquanto com novas candidaturas ou alianças, até mesmo em São Paulo Lula dispões de várias possibilidades para intervir no quadro político, de Marta a Ciro Gomes e, porque não outros, como por exemplo o atual Prefeito de Campinas, Dr. Hélio.



Flávio Luiz Sartori

domingo, 16 de agosto de 2009

AS PESQUISAS ELEITORAIS SÃO PARTE DAS ARTICULAÇÕES POLÍTICAS PARA A ELEIÇÃO PRESIDENCIAL 2010 - Nº 1

A exemplo do que aconteceu no começo deste mês, mais uma vez o site de Ricardo Noblat da Globo.com divulga noticias sobre números de pesquisas, sem apresentar o relatório que deu origem a noticia, sobre a corrida presidencial, agora com a presença da senadora e ex ministra Marina Silva. Desde que Marina anunciou que foi convidada pelo PV, Partido Verde, para ser candidata a presidência no ano que vem, governistas e oposicionistas estão especulando sobre qual seria o peso da Senadora do Acre na disputa, como se comportaria o eleitorado diante da presença de uma candidata ambientalista de fato.
De acordo com pesquisa apresentada por Noblat e coordenada por Antonio Lavareda pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), Marina entraria na disputa direta com com Dilma em quatro possibilidades, perderia e empataria uma vez e ganharia em duas.

A primeira dessas tabelas mostra José Serra (PSDB) com 28% das preferências e Ciro Gomes (PSB) com 16%, seguidos de Dilma (14%), Heloísa Helena (PSOL) com 13% e Marina em quinto, com 10%. Na segunda, sem Heloísa, Marina sobe e empata com Dilma em 14% (Serra lidera com 30% e Ciro fica com 22%).
A virada da ex-ministra do Meio Ambiente aparece quando Ciro também é tirado da disputa. Nessa hipótese, Serra sobe para 37% e Marina vence Dilma por 24% a 16%. E na última hipótese, em que Aécio entra no lugar de Serra e Ciro continua de fora, Marina aparece em primeiro lugar com 27% das intenções de voto, contra 25% do governador mineiro e 19% de Dilma.

O problema é que esta pesquisa foi realizada por telefone e como este blog já demonstrou em publicação recente no texto
A PESQUISA DE AVALIAÇÃ DO SENADO publicado beste blog no dia 16 de Julho de 2009 a pesquisa por telefone não abrange a amostragem real necessária. Também é importante lembrar que o informe sobre a pesquisa não esclarece se a pesquisa foi espontânea ou estimulada, fala em fichas mas não esclarece definitivamente.
Os números divulgados estão mais próximos de uma pesquisa estimulada e ai a pergunta que se faz é a seguinte: Como estimular um eleitor por telefone sem a tradicional ficha múltipla em forma de pizza? O estimulo poderia ser feito com o entrevistador alternando o nome dos candidatos, no entanto é importante frisar que a ficha foi implantada para ser entregue ao entrevistado para forçar ele ler a mesma, que é um forma de pizza para não ter um em primeiro nome sempre na lista e induzir a escolha e, também para que o mesmo entrevistado tenha alguns segundos ou até mesmo minuto para ler a ficha refletir e fazer a escolha trazendo para aquele breve momento uma situação que geralmente dura meses até o desfecho do voto no dia da eleição. Trazer esta situação para uma conversa de minutos por telefone é muito complicado.

Por outro lado o mesmo blog de Ricardo Noblat divulgou pesquisa do Vox Populi para Presidência da Republica com eleitores do Rio Grande do Sul onde a ministra Dilma Russef teria 26% de intenções de votos e estaria na frente do Governador de São Paulo José Serra, com 25%, por 1 ponto. O Deputado Federal Ciro Gomes estaria com 16% e a ex-senadora Heloisa Helena com 10%.


Flavio Luiz Sartori