sábado, 1 de agosto de 2009

VOLTANDO AO TRABALHO: PESQUISA DO IBOPE SOBRE A INTENÇÃO DE VOTOS PARA O GOVERNO DO PARANÁ MOSTRA QUE O ELEITORADO BRASILEIRO É PRAGMÁTICO

Os eleitores estão se tornando cada vez mais pragmáticos, já vai longe o tempo em que um boato, uma noticia ou uma reportagem, podiam, independente de ser verdade ou não, destruir uma carreira política ou determinar o resultado de uma eleição.
Maior exemplo disto esta em Curitiba, Paraná. Recentemente no Programa Fantástico da Rede Globo do dia 21 de Junho de 2009 foi apresentado uma reportagem sobre corrupção eleitoral envolvendo a campanha para a reeleição do Prefeito Beto Richa do PSDB. Na reportagem membros do PRTB, o Partido Renovador Trabalhista Brasileiro, que nas eleições do ano passado eram adversários do prefeito e depois, durante a campanha eleitoral aderiram à candidatura de Richa foram filmados recebendo dinheiro, inclusive com o uso de recibos falsos.
O prefeito demitiu parte das pessoas envolvidas que faziam parte de seu governo.
Pelo censo comum, em um primeiro momento, Beto Richa estaria liquidado politicamente, mas pelo que se pode verificar na última pesquisa feita pelo IBOPE com eleitores somente de Curitiba, com o campo (entrevistas) realizado nos dias 16 e 18 de Julho de 2009, portanto quase um mês após o Programa Fantásticos que exibiu a reportagem ter ido ao ar, os resultados, muito pelo contrário, foram amplamente favoráveis ao prefeito, tanto na avaliação de sua gestão quanto na sua pretensão de se candidatar a governador do Paraná em 2010.
Beto Richa lidera a corrida ao Governo do Paraná em Curitiba com boa vantagem na pesquisa espontânea, onde esta frente com 21% das intenções de voto seguido de longe por Roberto Requião com 6% que é o atual governador que já foi reeleito e não pode se candidatar novamente, sendo que seus adversários diretos mais próximos são os irmãos senadores Álvaro e Osmar Dias, ambos com 3% de intenções de voto espontâneo. Quando a pesquisa foi feita de forma estimulada, Beto atingiu 63% das intenções de voto e o adversário que chegou mais perto foi Osmar Dias com 14% de intenções de votos estimulados.
E tem mais, 82% dos 805 entrevistados, a amostragem da pesquisa, responderam aprovar a gestão de Beto Richa frente à Prefeitura de Curitiba e só 15% responderam não aprovar.
Conclusão, se depender de Curitiba, Beto Richa tem todas condições básicas e objetivas para se tornar o próximo Governador do Paraná. Obviamente que fatores como o debate de idéias durante a campanha eleitoral e a influencia do voto das outras cidades do Paraná poderão decidir e mudar o rumo da disputa, porém, um fato está constatado e nada conseguiu tirar isso de Richa, pelo menos até o presente momento, seu prestigio e a confiança que conquistou junto ao eleitorado de Curitiba, cuja ampla maioria simplesmente ignorou a reportagem do Fantástico.
Isso deve ser motivo de reflexão para os políticos e pretensos formadores de opinião que imaginam que podem se dar bem lançando mão de acusações e ataques, independente de ser verdade ou não. No Brasil de hoje, depois de anos de governos incompetentes e de treze eleições e dois plebiscitos, realizados desde 1986, no regime democrático pleno, o eleitor brasileiro aprendeu a se comportar de forma pragmática colocando o interesse de suas necessidades mais urgentes em primeiro lugar em relação tradicionais as trocas de acusações que já fizeram parte do folclore da política brasileira.

sexta-feira, 31 de julho de 2009

OLÁ PESSOAL É FIM DE SEMANA E O MOMENTO É DE CURTIÇÃO

Desde que lancei o blog estou tentando editar um video para lançar o momento de curtição do blog e para isso escolhi ninguem menos que Ze Ramalho e seu Admiravel Gado Novo (Vida de Gado) Legendas SHOW!!!


terça-feira, 28 de julho de 2009

BRASIL: DIANTE DE UMA CONJUNTURA AINDA INDEFINIDA SÓ AS PESQUISAS PODERÃO SER A REFERENCIA

Na semana que passou, de 19 a 25 de Julho, o IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, divulgou o índice de desemprego nacional do mês de junho, ficou em 8,1%. Em relação a Maio com 8,8% agora em 2009, caiu 0,7%, de 6,8% em Dezembro de 2008 chegou a 9% em março, em Junho registrou uma queda que se não é significativa, pelo menos esboça uma seqüência de viés para baixo.
O histórico da economia brasileira nos últimos seis meses se refletiu na mesma proporção na popularidade do presidente Lula, o que significa dizer em seu governo como um todo. Em Março de 2009 sua avaliação de Ótimo e Bom tinha caído de 73% em Dezembro de 2008 para 64% e em Maio voltou a subir para 68%, em pesquisas do IBOPE.
O termômetro da popularidade do governo é reflexo de como anda e como ficará o bolso da maioria dos eleitores brasileiros, diante desse quadro fica difícil imaginar que algum milagre surgido da cabeça de um marketeiro como que se fosse um coelho da cartola de um mágico possa tirar do presidente Lula a autoridade de influir decisivamente na eleição de seu sucessor.
Na atual conjuntura, mesmo com a perspectiva não favorável, a oposição decididamente não irá desistir de cumprir seu papel de disputar e para que essa disputa não se torne um jogo monótono, caso a economia brasileira não se deteriore, a única saída será criar um clima de comoção emotiva baseado em ondas de denuncias.
A crise do Senado e a CPI da Petrobrás certamente já são parte dessa estratégia da oposição. A escolha da figura do presidente do Senado José Sarney como bola da vez não é por mero acaso, Sarney foi um dos presidentes mais populares do Brasil quando lançou o Plano Cruzado em 1986 para vencer a eleição daquele ano, foi do céu ao inferno em 1989 e deixou o poder como um dos presidentes mais impopulares do Brasil. Que se saiba sua popularidade, exceto no Amapá, nunca mais foi recuperada. Quando ataca Sarney, sem entrar no mérito de ele ter cometido o ilícito, a oposição quer obrigar Lula a sair em sua defesa, quer associar a figura de um presidente popular a figura de um ex-presidente impopular, assim que a crise do Senado arrefecer, com a saída de Sarney ou não, a oposição pretende desgastar o governo na CPI da Petrobrás.
A pergunta que fica no ar é seguinte: Será que todo esse debate baseado em denúncias, que faz parte do jogo político em qualquer democracia, irá conseguir provocar em significativa parcela da opinião pública um questionamento capaz de equilibrar a disputa caso a situação econômica do Brasil continue estável?
Sem a analise isenta dos números das próximas pesquisas de opinião sobre a avaliação do governo e também da intenção de votos dos principais candidatos a presidência do campo governista e da oposição, só mesmo com a ajuda de adivinhos será possível fazer alguma previsão sobre o futuro político do Brasil.
O que podemos afirmar é que mesmo que as pesquisas de opinião do atual momento coloquem o candidato da oposição José Serra na dianteira, por outro lado, tendo como premissa a perspectiva de melhora da situação econômica com o enfraquecimento da crise, as condições básicas e objetivas conjunturais favorecem o governo.
Mesmo assim nunca se pode esquecer que a realidade esta sempre mudando, esta sempre em movimento e as pesquisas traduzem isso fielmente.

domingo, 26 de julho de 2009

O INCRIVEL LIVRO DE GUNTER WALLRAFF: “CABEÇA DE TURCO”

Ficou faltando um comentário sobre um dos dois livros que indiquei como meus preferidos, já postei um texto sobre Criação de Gore Vidal, faltou “Cabeça de Turco” de Günter Wallraff publicado em 1985, portanto a 24 anos.
Mas porque esse livro e com um nome tão estranho?
“Cabeça de Turco” é livro espetacular, relata uma pesquisa sobre o comportamento de significativa parte da sociedade alemã e, porque não européia e do mundo, focado na Alemanha e sua sociedade pós Segunda Guerra Mundial.
Imagine que você é um jornalista alemão que decide se transformar em um imigrante turco para passar por todas privações que esses imigrantes viviam na metade dos anos oitenta do século passado. É exatamente essa experiência que o livro relata.

"Estrangeiro forte procura emprego. Pode ser trabalho pesado, sujo e mal pago." Com esse anúncio, publicado em vários jornais alemães em março de 1983, o jornalista Günter Wallraff começou uma investigação que iria abalar a Alemanha.
Foi o início da longa reportagem publicada no livro Cabeça de Turco, em 1985. Disfarçado de turco, Wallraff sentiu na própria pele e denunciou de forma contundente a discriminação contra os imigrantes no cotidiano alemão.
O autor descreveu detalhadamente o que vivenciou, sob o pseudônimo de Ali, numa empresa mediadora de mão-de-obra, na metalúrgica Thyssen e num restaurante McDonald's.
Ele desceu ao submundo da sociedade alemã para denunciar as brutais jornadas de trabalho de 16 a 24 horas por dia impostas aos estrangeiros, o tratamento desumano dispensado a trabalhadores braçais e pouco qualificados e a falta de segurança nos locais de trabalho, principalmente para operários turcos. O disfarce de Gunter foi tão perfeito que nem sua própria mãe o reconheceu.

Ao ler “Cabeça de Turco” fiquei impressionados com as reações dos alemães e dos turcos frente a realidade do dia a dia em uma sociedade ainda dominada pelo preconceito foi uma viagem fantástica a um universo que, muitas vezes, preferimos fingir que não existe apesar de ele estar sempre ali ao nosso lado.

Flavio Luiz Sartori

PORQUE MUDEI O TÍTULO DO BLOG...

...É QUE GOSTEI DE PUBLICAR ANÁLISES DE LIVROS E TEXTOS QUE, NA REALIDADE TAMBÉM FORAM ESCRITOS TENDO COMO REFERÊNCIA PESQUISAS QUE, SENÃO SÃO DE OPINIÃO PROPRIAMENTE DITA, ABORDAM TEMAS QUE SÓ PODEM SER EXPLORADOS POR TRABALHO DE PESQUISA.

flavio luiz sartori